Info

Todas as saídas foram a pedido dos próprios ministros - Costa

Todas as saídas foram a pedido dos próprios ministros - Costa
| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro afirmou hoje que "todos" os ministros agora remodelados - Azeredo Lopes (Defesa), Manuel Caldeira Cabral (Economia), Adalberto Campos Fernandes (Saúde) e Luís Filipe Castro Mendes (Cultura) - pediram para abandonar as suas funções no executivo.

"Foram todos a pedido dos próprios, como consta do decreto do senhor Presidente da República", declarou António Costa, depois de interrogado se, tirando o caso do pedido demissão de Azeredo Lopes, que foi público na sexta-feira, também os restantes ministros lhe tinham solicitado a sua exoneração.

O líder do executivo falava aos jornalistas no Palácio de Belém, após a cerimónia de posse dos novos ministros: João Gomes Cravinho (Defesa), Pedro Siza Vieira (Economia), Graça Fonseca (Cultura) e Marta Temido (Saúde).

António Costa referia-se à nota que foi divulgada no portal da Presidência da República na Internet, na qual se lê que: "o Presidente da República aceitou hoje [domingo] as propostas do primeiro-ministro de exoneração dos atuais ministros da Cultura, da Saúde e da Economia, a seu pedido, e dos ministros Adjunto e do Ambiente".

+ notícias: Política

Paulo Rangel afirma que o país "está a mirrar" porque António Costa "se fechou sobre si próprio"

Paulo Rangel, eurodeputado, afirma em exclusivo ao Porto Canal que o primeiro-ministro, António Costa, está "muito fechado sobre si próprio" e que isso "faz com que o país esteja a mirrar um pouco" . Defende ainda que com esta ação é notório um "crescimento insatisfatório" e também "uma paralisação dos serviços públicos e numa insatisfação social", que pode ir desde os homens do Porto de Setúbal, aos motoristas de matérias perigosas, aos enfermeiros”.

Governo deixa de fora o Norte nos grandes investimentos da educação e saúde para os próximos cinco anos

O Governo apresentou esta semana o Programa de Estabilidade 2019-2023 e o Norte do país fica de fora no que diz respeito a investimentos na educação e na saúde.

Atualizado 20-04-2019 12:11

Autarca da Maia condenado a perda de mandato diz ter “condições” para recandidatura

O presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, condenada pelo Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto a perda de mandato, considerou esta sexta-feira estar a ser "injustiçado" e garante ter "condições apoios" para uma recandidatura.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.