Info

Ordem dos Médicos desconhece adiamentos de dois meses de cirurgias oncológicas

Ordem dos Médicos desconhece adiamentos de dois meses de cirurgias oncológicas
| País
Porto Canal com Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, disse hoje, em Braga, que não tem “conhecimento oficial” de cirurgias a doentes oncológicos adiadas por dois meses por causa das greves dos profissionais da saúde.

“Não tenho conhecimento oficial de nenhuma situação de adiamento de dois, três ou quatro meses de operações a doentes oncológicos. Mas, se existe, deve ser identificada para intervir”, referiu.

Miguel Guimarães reagia, assim, à notícia de hoje do Diário de Notícias, segundo a qual as greves dos profissionais de saúde já motivaram o adiamento por dois meses de cirurgias a doentes oncológicos.

“Vou estar muito atento”, referiu o bastonário, adiantando que vai contactar as direções clínicas e os diretores de serviço de todos os hospitais do país para aferir se há “algum fundo de verdade” nas situações reportadas.

Sublinhou que os doentes oncológicos que não são operados no dia marcado por motivo de greve o devem ser no dia seguinte ou na semana seguinte.

“Podem ser adiadas situações mais benignas para que as oncológicas tenham prioridade”, acrescentou.

+ notícias: País

Jovem de 23 anos morre soterrada em derrocada que atingiu restaurante na Madeira

Uma mulher de 23 anos morreu este sábado na Calheta, na Madeira, na derrocada que atingiu um restaurante, confirmaram os bombeiros à agência Lusa.

IGAI abre inquérito à atuação da GNR na captura de suspeitos de tráfico de droga

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para investigar a atuação de militares da GNR durante a captura de suspeitos de tráfico de droga na Auto Estrada 29, indicou este sábado à Lusa a Guarda Nacional Republicana.

Grupo de cidadãos 'luta' por alargamento da licença de maternidade

Um grupo de cidadãos quer levar ao Parlamento uma proposta de alteração à lei que permita alargar a licença de maternidade paga a 100 por cento até aos seis meses de vida da criança. A ideia é que as mães possam amamentar os filhos durante meio ano, como recomenda a Organização Mundial de Saúde, sem as complicações do regresso ao trabalho.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.