Info

Reunião da bancada do PSD marcada por queixas de "silenciamento" de alguns deputados

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 out (Lusa) -- A reunião do grupo parlamentar do PSD ficou hoje marcada por queixas de "silenciamento" de alguns dos deputados da bancada, que ficaram sem resposta por parte do líder parlamentar Fernando Negrão, que também não falou aos jornalistas no final.

Na reunião à porta fechada, segundo relatos feitos à Lusa, foi a antiga vice-presidente do PSD Teresa Morais que levantou a questão do "silenciamento" a que considera terem sido votados muitos dos deputados da bancada, que não são chamados a intervir em nome do partido, questionando o sentido de tal estratégia, "sobretudo num ano eleitoral, em que o partido precisa de todos".

A ex-ministra do anterior Governo PSD/CDS-PP refutou ainda o que chamou de "tese de conspiração" acerca do grupo parlamentar contra a atual direção do partido, defendendo que há muitos deputados que só querem trabalhar.

Na resposta, Fernando Negrão remeteu a questão da não intervenção de alguns deputados para "uma reflexão" que levaria à direção do partido, o que motivou críticas do anterior líder parlamentar, Hugo Soares.

Hugo Soares considerou que, mais grave que uma deputada sentir que há silenciamento de alguns parlamentares, é tal não ter sido "desmentido categoricamente".

Também a ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz manifestou total concordância com a intervenção de Teresa Morais.

"Há um conjunto de deputados a quem neste momento não é distribuído trabalho e que são manifestamente silenciados", acusou.

No final da reunião da bancada, Fernando Negrão apenas disse "contar com todos".

Ao contrário do habitual, não houve declarações à imprensa no final da reunião.

SMA // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Marcelo promulga com dúvidas salário mínimo de 635,07 euros na função pública

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta segunda-feira, embora expressando dúvidas sobre esta opção política, o decreto do Governo que atualiza de 580 para 635,07 euros o salário mínimo pago na função pública.

Ministro diz que Governo reconhece muitas sugestões da OCDE mas não tem de as seguir

O ministro Adjunto e da Economia afirmou esta segunda-feira que o Governo reconhece muitos dos problemas e sugestões apresentadas pela OCDE, mas frisou que são propostas da instituição que o executivo "não tem necessariamente que seguir".

Atualizado 19-02-2019 12:29

PSD vota a favor da moção de censura ao Governo do CDS-PP

O PSD vai votar a favor da moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS-PP, apesar de considerar que "não tem qualquer efeito prático", revelou esta segunda-feira à Lusa o Grupo Parlamentar social-democrata.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.