Info

FMI diz que Itália deve respeitar as regras da UE

| Economia
Porto Canal com Lusa

Nusa Dua, Indonésia, 11 out (Lusa) -- A diretora do Fundo Monetário Internacional reiterou hoje que a Itália deve respeitar as regras da UE em termos de disciplina fiscal, depois de o Governo populista italiano ter reafirmado que vai manter as previsões orçamentais.

"Quando se pertence a um clube e se decide ficar lá, é preciso respeitar as regras do clube", avisou Christine Lagarde, à margem da assembleia anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, que decorre até domingo, em Bali, na Indonésia.

Lagarde insistiu que existe uma grande "uma distância" entre a "retórica do Governo italiano e os números finais" do orçamento do país.

Roma apontou para um crescimento de 1,5%, enquanto o gabinete parlamentar do orçamento (UPB) previu um crescimento entre 1,1% e 1,3%, e outras instituições, como o FMI, anteciparam uma expansão de 1%.

Na terça-feira à noite, o UPB, organismo cuja missão é verificar a conformidade dos objetivos orçamentais com os parâmetros fixados pela UE, rejeitou as previsões do projeto de lei das finanças para 2019, considerando-as demasiado otimistas.

Na quarta-feira, na comissão parlamentar de Finanças italiana, o ministro que tutela a área, Giovanni Tria, disse que as previsões do UPB têm como base dados "parciais e obsoletos" e confirmou os números do governo, que prevê um défice de 2,4% no próximo ano.

O aviso do UPB é mais "um estímulo para agir do que uma razão para baixarmos as ambições" italianas, acrescentou.

Os dois vice-primeiros-ministros, Matteo Salvini, líder da Liga (extrema-direita) e Luigi Di Maio, dirigente do Movimento Cinco Estrelas (antissistema), também voltaram a defender o projeto orçamental, que suscitou críticas da Comissão Europeia, do Banco de Itália e do Tribunal de Contas.

"A lei de finanças não vai mudar", repetiu Salvini. "Não vamos recuar porque é um orçamento que ajuda o país. Ponto", insistiu.

No meio da preocupação em torno do orçamento, os juros da dívida de Itália têm vindo a subir nos últimos dias. O Estado italiano colocou hoje seis mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a uma taxa de 0,949%, a mais alta em cinco anos e muito acima do verificado na última emissão, em setembro.

Nas próximas semanas, as agências de notação financeira Moody's e S&P devem pronunciar-se sobre a dívida de Itália.

MIM (EO) // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Secretária de Estado da Habitação diz que "todos temos que lutar contra" crime no mercado imobiliário

Os preços das casas estão a estabilizar, mas continuam muito altos para a maioria dos portugueses. Em entrevista exclusiva ao Porto Canal, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, assume que a classe média está em dificuldade e mostra-se preocupada com as suspeitas de crime, associadas à especulação imobiliária no Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.