Info

Fórum do Futuro 2018 regressa ao Porto e abre com líder das Pussy Riot

| Norte
Porto Canal com Lusa

A música e ativista Nadya Tolokonnikova, fundadora da banda punk feminista russa Pussy Riot, é uma das convidadas da abertura do Fórum do Futuro 2018, evento que acontece no Porto, entre 04 e 10 de novembro, e considerado um 'statement político da cidade", pelo presidente da Câmara do Porto.

Atualizado 13-10-2018 13:10

"A edição deste ano (...) parte da Antiguidade e da sua manifestação na cultura contemporânea para uma reflexão sobre o nosso tempo e principalmente sobre o futuro, cruzando disciplinas artísticas e temas como a memória, o corpo, o mito e também a liberdade", declarou hoje o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, classificando o evento de um "'statement' [momento de afirmação] político da cidade".

O Fórum do Futuro, um festival de pensamento que decorre anualmente na cidade do Porto e que este ano tem um orçamento de 225 mil euros (mais 30 mil do que em 2017), vai abrir portas no próximo dia 04 de novembro, pelas 16:00, no Rivoli, com o artista Ali Cherri a apresentar, no primeiro ato, o "Water Blues", uma "reflexão sobre o poder que a lama exerce sobre nós como material e metáfora".

No segundo ato da abertura, também no Rivoli, é apresentado o vídeo intitulado "Hidden Park", do artista Guan Xiao, que vai abordar os temas do corpo e da humanidade como "figuras que persistem no tempo".

A abertura do Fórum do Futuro, que este ano tem como tema de fundo "Ágora Club", termina com um terceiro ato em que Nadya Tolokonnikova, a artista e ativista política e líder da banda Pussy Riot, vem falar de "Ativismo artístico na Grécia Antiga".

Nadya Tolokonnikova, que foi presa pela sua "oração punk" numa catedral de Moscovo, defende a ideia de que a "Grécia antiga é pátria não só da filosofia académica escrita de Platão e Aristóteles, mas também da tradição de uma filosofia prática".

O coletivo de Londres Slavs and Tatars abre o segundo dia do Fórum do Futuro pelas 17:00, no Rivoli, com "Transliterative Tease", onde se vai falar sobre como Lenine acreditava que "a revolução de Leste começaria com a latinização dos alfabetos de todos os muçulmanos da URSS", lê-se no dossiê de imprensa entregue aos jornalistas.

O filósofo e sociólogo italiano Mavrizio Lazzarato, que vem falar do "Império da Dívida", e o astrofísico Mikhel Mayor, que refletirá sobre a "pluralidade de mundos no cosmos", são outros participantes no segundo dia do Fórum do Futuro.

O arquiteto Toyo Ito, vencedor do Prémio Pritzker em 2013, que vai estar pela primeira vez em Portugal, marca o terceiro dia do Fórum do Futuro com o tema "Nova arena pública, novo espaço público", falando das "novas ágoras" dos tempos de hoje (as novas praças públicas, os novos espaços de encontro e de reunião).

O evento, que conta com várias dezenas de palestras durante uma semana, termina no dia 10 de novembro, pelas 19:00, no Rivoli, e a sessão de encerramento é organizada novamente em três atos, tal como na abertura, contando com a participação da arquitetura Eva Franch, que vai falar sobre "Histórias e Futuros/Poder e Alteridade", bem como do artista Guan Xiao, que vem apresentar a obra "David", sobre a estátua homónima de Michelangelo.

O escritor e jornalista Pankal Mishra, primeiro autor não ocidental a ser galardoado com o "Leipzig Book Award for European Understanding", encerra a sessão com um debate sobre a necessidade de rever a nossa compreensão do mundo, "dado que a história do Ocidente, nascida na Antiguidade Clássica, tem continuamente ignorado e apagado os feitos de outras sociedades e civilizações".

O coletivo de seis músicos "Candeleros", originários de várias regiões entre a Colômbia e a Venezuela, atua as 23:30, no Rivoli, com o "Baile de Cúmbia", um concerto com música de origens indígenas ancestrais, marcando o fim da 5.ª edição do Fórum do Futuro.

+ notícias: Norte

Tribunal de Instrução Criminal do Porto ouve terceiro de cinco suspeitos de viciação de contratos públicos

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto reatou este domingo de manhã os interrogatórios no âmbito da alegada viciação de procedimentos de contratação pública, com a audição do terceiro dos cinco arguidos, disse um advogado do processo.

Autores de inquérito polémico a alunos do Porto diz que escola tinha conhecimento prévio

A associação que distribuiu um inquérito a alunos do 5.º ano com perguntas sobre opções sexuais garante que todos os materiais trabalhados com menores de idade são do conhecimento prévio das direções escolares.

Autoridades apreendem no Porto 1.500 peças em ouro e 17 diamantes

Mais de 1.500 peças em ouro, 17 diamantes e 140 mil euros foram apreendidos no Porto pela Unidade de Ação Fiscal da GNR e pela Autoridade Tributária, informou este sábado fonte policial.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.