Info

Portugal precisa de uma rede de suporte ao doente fora dos hospitais

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 out (Lusa) -- Portugal precisa de criar uma rede de suporte ao doente que já não está hospitalizado, para evitar deterioração do estado de saúde, reinternamentos desnecessários e excesso de idas às urgências, defende um relatório que é hoje divulgado.

"O sucesso do tratamento do doente fora das instalações físicas" dos hospitais "apenas é possível quando é assegurada uma continuidade da prestação através de uma rede de suporte ao doente e à sua família no seu regresso à comunidade", considera o relatório final do projeto 3 F -- Financiamento, Fórmula para o Futuro, que vai ser hoje apresentado em Lisboa e a que a agência Lusa teve acesso.

Esta rede de suporte ao doente na comunidade deve ser iniciada no momento do internamento hospitalar e contemplar uma intervenção clínica e outra não clínica, "fundamental para garantir a adequada gestão da doença".

O grupo de peritos do projeto 3 F considera que o "regresso do doente à comunidade é, por norma, realizado sem supervisão", cabendo apenas à rede de cuidados continuados acompanhar alguns doentes crónicos ou em situações de dependência.

A falta de acompanhamento na comunidade, indica o relatório, suscita uma deterioração do estado de saúde, reinternamentos desnecessários e excessivo recurso às urgências, traduzindo-se num desperdício de profissionais e de meios materiais.

A rede de suporte ao doente na comunidade deve assegurar a participação de profissionais de saúde, famílias, cuidadores informais, associações de doentes, autarquias, farmácias e instituições de solidariedade social.

Esta rede de suporte é uma das 10 recomendações do relatório final do projeto 3 F, que defende ainda que o cidadão tem de ser o elemento central da prestação de cuidados de saúde.

Contudo, os peritos consideram que nesta matéria há ainda "um longo caminho a percorrer". Por isso sublinham que é importante capacitar o doente para gerir a sua própria patologia.

"É fundamental que o cidadão conheça as medidas de prevenção da doença, de promoção da saúde e de gestão da doença. É igualmente importante que o cidadão conheça o sistema de saúde e a forma como aceder à prestação de cuidados", indica o documento que hoje será apresentado em Lisboa.

O projeto 3 F defende ainda um reforço do papel dos cuidados de saúde primários e uma maior interligação entre os vários níveis de cuidados (centros de saúde, hospitais e cuidados continuados).

ARP // PMC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Ministro da Administração Interna diz que polícias compram equipamento "porque querem e não têm nenhuma necessidade de o fazer"

O Ministro da Administração Interna diz que os polícias compram equipamento porque querem e não por necessidade. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, Eduardo Cabrita não garante, ainda assim, que não existam falhas de material.

102 escolas em Portugal ainda têm amianto nos edifícios

O problema do amianto persiste nas escolas nacionais. Mais de uma centena de estabelecimentos escolares ainda mantêm coberturas em amianto de acordo com o mais recente levantamento feito pela plataforma "Há amianto na escola".

Poluição dos novos carros a diesel atinge níveis mil vezes acima do normal

A Associação Zero pede a eliminação dos carros a diesel nas cidades. Tudo isto por causa de um estudo da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente que concluiu que a poluição dos novos veículos a gasóleo atinge níveis mil vezes acima dos valores normais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.