Info

Ryanair investe 100 ME para criar 12 novas rotas em Portugal em 2019

| Economia
Porto Canal com Lusa

A companhia aérea Ryanair anunciou esta terça-feira que vai investir cerca 100 milhões de euros para criar 12 novas rotas em Portugal para o verão de 2019 a partir de todas as bases, pretendendo continuar a apostar no país.

Atualizado 10-10-2018 12:16

"É cerca de 100 milhões de euros de investimento no próximo ano nas 12 novas rotas, três desde a Portela [...], seis desde o Porto e três desde Faro", disse o presidente executivo da empresa, Michael O'Leary, em declarações à agência Lusa, à margem de uma conferência de imprensa em Lisboa.

De acordo com o responsável, este é um investimento "importante porque este é um tempo difícil para as companhias aéreas".

"O petróleo está a 85 dólares por barril, os preços estão a cair, todas as companhias aéreas estão a reportar quebras nas receitas", observou Michael O'Leary.

E adiantou: "É importante que continuemos a investir aqui em Portugal, que continuemos a criar bons empregos para as pessoas e chegar a acordo com os sindicatos para que acabemos com estas guerras sem sentido que não nos levam a lado nenhum".

As 12 novas rotas dizem respeito a Alicante, Berlim, Bordéus, Brive, Cagliari, Clermont, Edimburgo, Londres Southend, Marraquexe, Milão Bergamo, Sevilha e Veneza Treviso.

Ao todo, serão adicionados três destinos aos existentes em Lisboa, seis a partir do Porto, três a partir de Faro, cinco desde Ponta Delgada e dois desde a Terceira, num total de mais 11 milhões de passageiros por ano no país, segundo as estimativas da empresa.

+ notícias: Economia

Taxa turística do Porto rendeu 10,4 milhões de euros com 5,2 milhões de dormidas em 2018

A Câmara do Porto angariou 10,4 milhões de euros em 2018 com a taxa turística que começou a ser cobrada em março e se aplicou a “mais de 5,2 milhões de dormidas”, revelou esta terça-feira o vereador da Economia.

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.