Info

Douro com 60 milhões de euros e 59 projetos para desenvolvimento turístico

| Economia
Porto Canal com Lusa

O ministro da Economia anunciou esta segunda-feira estar em curso, no Douro, um investimento de 60 milhões de euros, disperso por 59 projetos e vários programas de apoio, que visam o desenvolvimento turístico deste território, com enfoque no enoturismo.

Atualizado 09-10-2018 15:26

São projetos que, segundo afirmou Manuel Caldeira Cabral, no Peso da Régua, “estão a dinamizar o Douro”.

“O Douro teve um crescimento muito grande das receitas, um crescimento de 68% em três anos, o que é, de facto, fantástico. O que significa que o esforço que fizemos nos últimos anos de promoção e de aumento da visibilidade desta região está a trazer mais turistas”, afirmou o governante, à margem de uma cerimónia de assinatura de protocolos.

O ministro adiantou ainda que os “turistas estrangeiros aumentaram 40%" no Douro.

“A região está a saber responder com investimentos em hotéis, de enoturismo, de adegas que se modernizam e melhoram, mas é importante que este esforço continue e que acompanhe a formação”, sublinhou.

Nesse sentido foram assinados protocolos com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), a Escola de Hotelaria do Douro, em Lamego, o Turismo de Portugal e o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP).

Estas entidades vão promover formações específicas em enoturismo e em vinhos do Porto e Douro.

Os projetos que estão em curso no Douro contaram com incentivos no âmbito do Portugal 2020 e do programa Valorizar (Programa de Apoio à Valorização e Qualificação do Destino).

Desde 2016, foram investidos 46,7 milhões de euros em 32 projetos turísticos no Douro, que contaram com um incentivo de 27,5 milhões de euros do programa Valorizar.

No âmbito do Provere (Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos), assinado hoje com a Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro), estão previstas 24 ações, num investimento global de 11,8 milhões de euros.

O ministro da Economia, acompanhado pela secretária de Estado do Turismo, termina hoje uma visita de dois dias ao Douro, durante a qual visitou alguns dos projetos financiados.

“Estamos a investir em toda a região e naquilo que a região tem de diferenciador, que é a cultura, o vinho, as paisagens, os projetos de hotelaria, a calma, a paz”, afirmou Manuel Caldeira Cabral.

O trabalho envolve privados e entidades públicas, como museus ou câmaras, e visa “fazer uma revolução e um crescimento como há muitos anos não acontecia”.

O governante passou pela Quinta da Pacheca, em Lamego, onde participou na vindima e pode visitar as “Wine Barrels”, que são dez quartos dentro de barricas de vinho, com 25 metros quadrados, casa de banho e um deck na frente de um dos pipos.

Na Cumieira, em Santa Marta de Penaguião, está em fase de conclusão o hotel "Magnificat Wine SPA", um investimento de 5,1 milhões de euros, que vai resolver o problema da falta de camas neste concelho duriense e que vai ter o "primeiro SPA de vinho do Porto do mundo".

O empreendimento vai criar cerca de 50 postos de trabalho, dispor de 44 quartos, uma adega tradicional, com lagares de pisa a pé, e outra mais mecanizada, um SPA de vinho do Porto e um jardim onde estarão plantadas todas as castas tradicionais plantadas no Douro.

A Adega de Favaios, em Alijó, está a apostar no enoturismo e a melhorar os espaços de acolhimento aos turistas, e a Rota da Estrada Nacional 2 vai dispor de 400 mil euros para um projeto de valorização turística desta estrada que atravessa o país, entre Chaves e Faro.

+ notícias: Economia

Taxa turística do Porto rendeu 10,4 milhões de euros com 5,2 milhões de dormidas em 2018

A Câmara do Porto angariou 10,4 milhões de euros em 2018 com a taxa turística que começou a ser cobrada em março e se aplicou a “mais de 5,2 milhões de dormidas”, revelou esta terça-feira o vereador da Economia.

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.