Info

Primeiro-ministro diz que ministro da Defesa é um "ativo importante"

| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou esta segunda-feira confiança política no ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, considerando que é um "ativo importante" no Governo.

Atualizado 09-10-2018 15:57

"A visita está marcada há bastante tempo, mas a confiança também está manifestada há bastante tempo", disse António Costa, acrescentando que a confiança no ministro da Defesa está "inalterada" desde que o Governo assumiu funções em novembro de 2015.

O primeiro-ministro respondia aos jornalistas no final de uma visita à Base Aérea n.º 5, em Monte Real, Leiria, a primeira que o chefe de Governo realiza ao ramo.

Ao lado do ministro da Defesa Nacional, que fez saber que não responderia a perguntas, António Costa recusou que Azeredo Lopes seja "um problema" neste momento para o executivo devido aos desenvolvimentos das investigações ao furto e recuperação de material militar de Tancos.

"Pelo contrário, é, como todos os membros do Governo, um ativo importante. O Governo funciona em equipa e todos somos um ativo para que o Governo continue a desempenar as suas funções", disse.

Instado a comentar as críticas daqueles que consideram que a posição do ministro está fragilizada, António Costa respondeu: "Quando o Dr. Marques Mendes for primeiro-ministro, decidirá quem são os membros do Governo. Enquanto for eu primeiro-ministro, sou eu que decido".

"Não creio que o Dr. Marques Mendes esteja na iminência de ser primeiro-ministro nem eu de ser comentador", ironizou, negando ainda que esteja prevista "alguma alteração" quanto à permanência do ministro da Defesa no Governo.

O comentador político Marques Mendes defendeu, no domingo, no seu espaço de opinião na SIC, que o ministro da Defesa deveria "sair ou ser convidado a sair" por ser "um ministro sob suspeita" no caso de Tancos.

+ notícias: Política

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.