Info

Incêndio Sintra/Cascais provoca 21 feridos ligeiros

Incêndio Sintra/Cascais provoca 21 feridos ligeiros
| País
Porto Canal com Lusa

O incêndio que deflagrou no sábado à noite em Sintra, e que alastrou entretanto a Cascais, já provocou 21 feridos ligeiros, entre os quais duas dezenas de operacionais e um civil, adiantou a Proteção Civil cerca das 13:00.

De acordo com o comandante distrital de Lisboa da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), André Fernandes, o incêndio, que entretanto foi dado como dominado, provocou até ao momento "um total de 21 vítimas".

Falando no 'briefing' que decorreu cerca das 13:00, nos Paços do Concelho de Cascais, o comandante precisou que entre as vítimas estão "10 operacionais e um civil" que foram levados a uma unidade hospitalar, "tudo com ferimentos ligeiros relacionados com traumas oculares e traumas também nos membros inferiores, entorses e alguma luxações".

Já a vítima civil teve "queimaduras de primeiro e segundo grau, em menos de 10% do corpo", mas entretanto "já teve alta e já está no seu domicílio", acrescentou.

A estes, juntam-se "10 bombeiros assistidos no teatro de operações, que não tiveram de ser deslocados e que voltaram ao combate", adiantou André Fernandes aos jornalistas.

O incêndio deflagrou no sábado, pelas 22:50, na Peninha, na serra de Sintra, distrito de Lisboa, e alastrou depois ao concelho de Cascais. Foi dominado pelas 10:45 de hoje.

Cerca de 300 pessoas foram retiradas do parque de campismo de Cascais e outras 47 foram levadas de suas casas, localizadas em toda a área do incêndio.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.