Info

Marcelo discursa esta sexta-feira no 108º aniversário da Implantação da República

Marcelo discursa esta sexta-feira no 108º aniversário da Implantação da República
| Política
Porto Canal com Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai discursar esta sexta-feira nas comemorações do 108º aniversário da Implantação da República, data que tem aproveitado para se dirigir aos políticos, com alertas sobre a saúde da democracia.

Na tradicional sessão solene na Praça do Município, em Lisboa, o chefe de Estado irá intervir depois do presidente da Câmara Municipal, Fernando Medina, na presença do primeiro-ministro, António Costa, e do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

Antes, será hasteada a bandeira portuguesa na varanda do Salão Nobre dos Paços do Concelho, ao som do hino nacional, o que dará início à sessão solene comemorativa do 108.º aniversário da Implantação da República, que deverá decorrer entre as 10:40 e as 11:15.

A seguir, pelas 12:30, o Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas fará uma visita com honras militares ao navio-escola Sagres, acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e à tarde estará ainda num festival militar em Cascais.

Na cerimónia do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa fez um discurso de sete minutos e meio, em que repetiu uma dúzia de vezes a palavra democracia e defendeu a necessidade de "protagonistas capazes de olhar para o médio e o longo prazo, ultrapassando o mero apelo dos sucessivos atos eleitorais", deixando um alerta: "Não há sucessos eternos nem revezes definitivos".

Em 2017, o Dia da República foi celebrado no rescaldo das eleições autárquicas, realizadas quatro dias antes, em que o PS foi o partido mais votado e cujos resultados levaram Pedro Passos Coelho a anunciar o fim do seu ciclo na liderança do PSD.

O Presidente da República considerou que essas eleições deviam ser "encaradas com apreço, olhando às centenas de milhar de candidatos e à redução do nível de abstenção", e que "os portugueses entenderam a importância do seu envolvimento cívico, bem como a urgência de começar a inverter um sintoma de aparente desinteresse pela coisa pública".

A cerimónia do ano passado aconteceu pouco mais de três meses depois dos incêndios mortais de junho e do caso do desaparecimento de material militar do paiol nacional de Tancos, no distrito de Santarém.

Marcelo Rebelo de Sousa estruturou a sua intervenção em torno do conceito de "democracia política, económica, social e cultural" que está consagrada "na letra da Constituição" e a que deve corresponder "na realidade dos factos" a República Portuguesa proclamada em 1910.

Sem falar de nenhum caso em concreto, o Presidente deixou recados sobre a justiça, a segurança interna e as Forças Armadas e apelou a que se tenha a coragem de, a cada ano, fazer um "exercício de humildade cívica", realçando "o que correu bem, ou muito bem", mas reconhecendo ao mesmo tempo "o que correu mal, ou mesmo muito mal".

O 05 de Outubro voltou a ser feriado nacional em 2016 - tinha sido eliminado em 2013 pelo anterior Governo PSD/CDS-PP - e é uma das quatro datas anuais em que o chefe de Estado tem discursos protocolares, juntamente com o 25 de Abril, o 10 de Junho e Dia de Ano Novo.

Na cerimónia de há dois anos, a primeira em que discursou, Marcelo Rebelo de Sousa fez igualmente discurso curto, de sete minutos, com uma mensagem dirigida aos políticos.

O Presidente da República interrogou "por que razão ainda tantas portuguesas e tantos portugueses desconfiam da política, dos políticos, das instituições, e escolhem a abstenção, o distanciamento crítico, o alheamento cético".

"O exemplo dos que exercem o poder é fundamental sempre para que o povo continue a acreditar no 05 de Outubro", afirmou, advertindo para os efeitos sobre a democracia que ocorrem "de cada vez que um responsável público se deslumbra com o poder, se acha o centro do mundo, se permite admitir dependências pessoais ou funcionais".

+ notícias: Política

PAN quer alterar lei para que sexo sem consentimento seja crime de violação

O PAN quer alterar o Código Penal para que o sexo sem consentimento seja considerado crime de violação e endurecer a moldura penal para que os violadores cumpram pena de prisão, disse à Lusa o deputado André Silva.

Marcelo Rebelo de Sousa pede a Bombeiros e Governo que evitem afirmações que dificultem o diálogo

O Presidente da República apelou este domingo, a propósito do conflito entre Liga dos Bombeiros e Governo, para que todos os intervenientes evitem afirmações públicas que dificultem o diálogo neste "domínio muito sensível" da Proteção Civil.

Autarcas do Norte apresentam projeto para criar linha ferroviária Vale do Sousa

Vai ser apresentado, na próxima segunda-feira, um estudo preliminar sobre a desejada linha ferroviária do Vale do Sousa. Uma linha com 36 quilómetros que poderá custar cerca de 300 milhões de euros mas que pretende atravessar Valongo, Paredes, Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.