Info

Proteção Civil apela a população para ter tolerância zero com uso do fogo

Proteção Civil apela a população para ter tolerância zero com uso do fogo
| País
Porto Canal com Lusa

A Autoridade Nacional De Proteção Civil (ANPC) apelou hoje para que a população tenha tolerância zero com o uso de fogo em espaços rurais, alertando que as atuais condições atmosféricas aumentam os riscos de incêndio.

Em declarações esta tarde à agência Lusa na sede da ANPC em Carnaxide, concelho de Oeiras, o Comandante Operacional Pedro Nunes quis fazer "um pedido especial", sobretudo à população das zonas mais rurais do pais, para que adiem "todos os trabalhos agrícolas que envolvam o manuseamento do fogo".

"Pese embora já estarmos em outubro, continuamos a viver um período sem precipitação e sem precipitação o risco de incêndio aumenta. Esta ausência de precipitação não permite que as atividades tradicionais do mundo rural recorrendo ao uso do fogo possam ser feitas de forma segura", alertou.

O responsável da ANPC referiu que estas proibições devem vigorar pelo menos até ao dia 15 de outubro, data para a qual foi alargado o período crítico, acrescentando que nos últimos dias o quadro meteorológico é de uma "corrente de leste, com pouca humidade relativa, acompanhada de vento quente e seco, situação que "influencia os materiais combustíveis".

Relativamente aos distritos mais críticos, Pedro Nunes destacou os de Viana do Castelo, Braga, Porto e Aveiro, que estão em alerta laranja.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.