Info

Quase 100% dos grandes fogos no país ocorrem durante ondas de calor

Quase 100% dos grandes fogos no país ocorrem durante ondas de calor
| País
Porto Canal com Lusa

Noventa e sete por cento dos grandes incêndios nos últimos 30 anos ocorreram durante ondas de calor, concluiu um estudo de investigação, que alerta para as consequências das alterações climáticas que vão tornar aquele fenómeno mais frequente e mais intenso.

A investigação, desenvolvida no âmbito do projeto de investigação FIREXTR, concluiu que 96,8% dos grandes incêndios (com mais de cinco mil hectares ardidos) entre 1981 e 2010 ocorreram durante ondas de calor e os restantes 03,2% imediatamente após várias ondas de calor longas e intensas.

O estudo a que a agência Lusa teve acesso identificou um total de 130 ondas de calor em Portugal continental nos últimos 30 anos, entre maio e outubro, com a maioria a ocorrer em julho (33%) e agosto (27%).

Para além do cálculo do impacto das ondas de calor na ocorrência de fogos, a equipa de investigação procurou também projetar os riscos para o futuro, tendo em conta as alterações climáticas.

Segundo o estudo, é esperado um aumento de 04% da frequência das ondas de calor a cada 30 anos (até 2090) no cenário menos pessimista (em que haverá um menor impacto das alterações climáticas), sendo que, para o outro cenário (mais pessimista), deverá haver um aumento de 08% da frequência das ondas de calor nos próximos 30 anos e um aumento de 25% entre 2061 e 2090.

"Estes aumentos parecem pouco impressionantes, mas de facto são muito significativos", afirmaram os investigadores da equipa da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro (UTAD) que participam no projeto de investigação FIREXTR, Mário Pereira e Joana Parente, numa resposta por 'e-mail' à agência Lusa.

Os investigadores sublinham que, para além do aumento da frequência das ondas de calor, estas vão aumentar de temperatura e também de intensidade.

No cenário mais pessimista, os investigadores registam um aumento das temperaturas mais altas em alguns pontos do país que pode chegar aos 6ºC, no período entre 2061 e 2090.

As regiões que identificam o maior número de ondas de calor são o nordeste, o sul e o litoral centro de Portugal, sendo que essas regiões deverão "continuar a ser das mais afetadas, embora a região noroeste do país venha a verificar um aumento do número de ondas de calor", referiram os investigadores da UTAD.

"As regiões com maior número de ondas de calor são também as regiões onde temos maior número de dias de ondas de calor", notaram, sublinhando, no entanto, que a região onde ocorre "o maior número de incêndios rurais no país" é na zona norte do centro do país, entre Tomar e a Guarda, onde as ondas de calor são também as mais intensas.

De acordo com os investigadores, deveriam ser implementadas medidas para a mitigação das alterações climáticas, sendo também necessário garantir a adaptação às alterações que se vão registar no futuro e tornar o território mais resiliente ao risco de incêndios.

Nesse sentido, apontam, será necessário reduzir o número de ignições, que em Portugal são maioritariamente de origem humana, diminuir a carga e continuidade dos combustíveis, assim como um melhor ordenamento do território e gestão florestal.

O projeto FIREXTR agrega equipas de investigação da UTAD, da Universidade do Porto (que lidera o projeto) e da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial, ligada à Universidade de Coimbra, contando ainda com a participação de instituições da Austrália, Canadá, França, Itália e EUA.

+ notícias: País

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde por considerar que o seu propósito já foi cumprido e que a hora é de agir, uma vez que a reflexão sobre o setor está feita.

Ordem dos Médicos diz que populações do Interior não têm o mesmo acesso aos cuidados de saúde

O presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), Carlos Cortes, criticou esta segunda-feira que as pessoas do interior não tenham o mesmo acesso à saúde do que os utentes do litoral.

Infarmed manda retirar lotes de medicamento para hipertensão da Mylan e AIM Teva

A Autoridade Nacional do Medicamento determinou a retirada do mercado de vários lotes de medicamentos contendo a substância ativa valsartan, usada no tratamento da tensão arterial elevada, produzidos pelos fabricantes AIM Teva e Mylan.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.