Info

Avaria elétrica no INEM resolvida

Avaria elétrica no INEM resolvida
| País
Porto Canal com Lusa

A avaria na central elétrica que condicionou o funcionamento dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) desde a noite de quarta-feira ficou resolvida pelas 04h00, disse fonte do INEM.

Segundo disse a mesma fonte à Lusa, apesar da avaria elétrica, os CODU atenderam sempre as chamadas de emergência "com recurso ao plano de contingência" definido na quarta-feira à noite.

Uma avaria elétrica condicionou desde as 23h20 de quarta-feira o funcionamento dos Centros de Orientação de Doentes Urgentes, o que obrigou o Instituto Nacional de Emergência Médica a ativar o plano de contingência da linha de emergência 112.

"No sentido de poder continuar a garantir o trabalho regular dos CODU, e enquanto a empresa corrige a avaria, o INEM ativou no imediato o seu plano de contingência, solicitando aos centros operacionais 112 que o encaminhamento das chamadas referentes a situações de saúde fosse realizado para os telemóveis de reserva disponíveis nos CODU para utilização neste tipo de situações, garantindo deste modo a continuidade do funcionamento dos CODU", explicou o INEM num comunicado enviado à agência Lusa na quarta-feira.

"Todas as situações referentes a aconselhamento têm à sua disposição o número do centro de contacto do Serviço Nacional de Saúde, através do 808 24 24 24, o que permitirá que aos CODU cheguem apenas chamadas de verdadeiras emergências médicas", acrescentava a nota.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.