Info

Défice melhora 1,4 mil ME até agosto para 576 ME

Défice melhora 1,4 mil ME até agosto para 576 ME
| Economia
Porto Canal com Lusa

O défice orçamental em contas públicas totalizou 576 milhões de euros até agosto, uma melhoria de 1,4 mil milhões face ao período homólogo, divulgou hoje o Ministério das Finanças.

Num comunicado que antecede a publicação, pela Direção-Geral de Orçamento (DGO), da síntese de execução orçamental até agosto, o ministério liderado por Mário Centeno informa que “a melhoria do saldo global é explicada por um crescimento da receita (5,1%) superior ao aumento da despesa (2,2%), ainda condicionada pelo fim do pagamento dos duodécimos do subsídio de Natal a funcionários públicos e pensionistas”.

O défice em contas públicas “não inclui a despesa de 913 milhões de euros, que apenas é considerada para o défice orçamental em contas nacionais, com a injeção de 792 milhões no capital do Novo Banco e o pagamento de 121 milhões de euros aos lesados do BES pelo fundo de recuperação de créditos”, adianta o ministério.

Segundo o documento, a receita fiscal cresceu 5%, “para a qual contribuiu em grande medida o aumento da receita líquida do IVA (3,9%), do IRC (11,9%) e IRS (4,4%)”, enquanto os reembolsos fiscais cresceram 2,6%.

“A receita fiscal e contributiva beneficiou ainda do comportamento do mercado de trabalho, visível no crescimento de 7,1% das contribuições para a Segurança Social”, destacam as Finanças.

Já a despesa subiu 2,2%, devido sobretudo ao aumento da despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que atingiu máximos pré-‘troika’, e das prestações sociais, em particular com a prestação social para a inclusão.

A despesa do SNS cresceu 4,1% acima do orçamentado, “refletindo um aumento de 3,8% das despesas com bens e serviços e o crescimento de 65% do investimento”.

O ministério destaca ainda “o crescimento significativo da despesa nas áreas da Cultura (10,7%) e empresas de transportes públicos, como a Infraestruturas de Portugal (6,7%) e a CP - Comboios de Portugal (6,2%).

“A execução até agosto beneficia do efeito nas despesas com pessoal e pensões do fim do pagamento em duodécimos do subsídio de Natal”, adianta a mesma fonte.

Também o descongelamento das carreiras dos funcionários públicos pesou no aumento das despesas com pessoal, que cresceram 1,6% na administração central, excluindo o subsídio de Natal.

A despesa com pensões da Segurança Social diminuiu 0,5% influenciada pelo fim do pagamento do subsídio de natal em duodécimos mas, corrigida deste efeito, a despesa cresceu cerca de 3%.

“Este crescimento reflete o facto de, pela primeira vez na última década, a grande maioria dos pensionistas ter aumentos superiores à inflação e também aos aumentos extraordinários de pensões de agosto de 2017 e 2018”, explicam as Finanças.

Os números divulgados pela DGO são apresentados em contabilidade pública, ou seja, têm em conta o registo da entrada e saída de fluxos de caixa.

Já a meta do défice é apurada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em contas nacionais, a ótica dos compromissos, que é a que conta para Bruxelas.

De acordo com o INE, o défice orçamental foi de 1.864,7 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, o que corresponde a 1,9% do Produto Interno (PIB), incluindo o aumento de capital do Novo Banco.

No Programa de Estabilidade 2018-2022, o Governo inscreveu uma meta de défice de 0,7% do PIB para 2018.

+ notícias: Economia

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.