ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Tancos: Diretor-geral da PJ militar detido e entre oito visados por mandados de detenção

Tancos: Diretor-geral da PJ militar detido e entre oito visados por mandados de detenção
| Política
Porto Canal com Lusa

O diretor-geral da Polícia Judiciária Militar, Luís Vieira, foi detido hoje, estando entre os oito visados por mandados de detenção emitidos na Operação Húbris, relacionada com o caso das armas furtadas em Tancos, disseram à Lusa fontes da investigação.

O coronel Luís Vieira foi detido para interrogatório hoje ao fim da manhã nas instalações da Polícia Judiciária Militar (PJM), no Restelo, pela Polícia Judiciária, na presença de um oficial de patente superior, como prevê o Estatuto dos Militares das Forças Armadas.

De acordo com aquele Estatuto, a detenção de militares no ativo, fora de flagrante delito, "é requisitada aos seus superiores hierárquicos pelas autoridades judiciárias", um procedimento que foi seguido, segundo a Procuradoria Geral da República.

Os mandados de detenção visam quatro responsáveis da PJM, incluindo Luís Vieira, um civil e três elementos da GNR.

Segundo a mesma fonte, a investigação prende-se com a encenação montada relativamente à descoberta e recuperação das armas que haviam sido furtadas em Tancos.

Antes, fonte da GNR disse à Lusa que três militares do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé, incluindo o seu chefe, estão entre os detidos hoje pela Polícia Judiciária nesta investigação.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República avançou que a PJ deteve hoje militares da Polícia Judiciária Militar e da Guarda Nacional Republicana e um outro suspeito e realizou buscas em vários locais nas zonas da Grande Lisboa, Algarve, Porto e Santarém.

Segundo a PGR, no inquérito que deu origem às detenções, "investigam-se as circunstâncias em que ocorreu o aparecimento, em 18 de outubro de 2017, na região da Chamusca, de material de guerra furtado em Tancos".

Em causa, adianta o comunicado, estão "factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder, recetação, detenção de arma proibida e tráfico de armas".

Na Operação Húbris, participaram cinco magistrados do Ministério Público e cerca de uma centena de investigadores e peritos da Polícia Judiciária.

Segundo a PGR, o inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), sendo o Ministério Público coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária.

O furto de material militar dos paióis de Tancos - instalação entretanto desativada - foi revelado no final de junho de 2017. Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

Em 18 de outubro, a Polícia Judiciária Militar recuperou, na zona da Chamusca, quase todo o material militar que tinha sido furtado, à exceção de munições de nove milímetros.

Contudo, entre o material encontrado, num campo aberto na Chamusca, num local a 21 quilómetros da base de Tancos, havia uma caixa com cem explosivos pequenos, de 200 gramas, que não constava da relação inicial do material que tinha sido furtado, o que foi desvalorizado pelo Exército e atribuído a falhas no inventário.

+ notícias: Política

Conselho de Obras Públicas dá prioridade à ligação ferroviária Lisboa-Porto que deve avançar com brevidade

O Conselho Superior de Obras Públicas deu prioridade à ligação ferroviária Lisboa-Porto. É recomendada assim  a construção da linha com maior brevidade possível. O parecer alerta o Governo para a necessidade de se fazer um Plano Ferroviário Nacional.

Parlamento aprova projeto lei do PSD que altera financiamento eleitoral dos partidos

O Parlamento aprovou na generalidade um diploma do PSD que altera o financiamento eleitoral dos partidos. PAN e Iniciativa Liberal foram os únicos a votar contra.

Ministro do Ambiente prometo plano para o aterro de Valongo que "cause muito menos incómodo"

O Ministro do Ambiente diz que a última investigação ao aterro de Valongo levantou "preocupações". O município já pediu a proibição imediata do depósito de amianto nos terrenos. Matos Fernandes promete respostas nos próximos dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.