Info

Marcelo reúne-se com Guterres em Nova Iorque antes da Assembleia Geral da ONU

Marcelo reúne-se com Guterres em Nova Iorque antes da Assembleia Geral da ONU
| Política
Porto Canal com Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, viaja este domingo para Nova Iorque, onde se vai reunir com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, antes da 73.ª sessão da Assembleia Geral desta organização.

O encontro está marcado para hoje ao fim da tarde, já madrugada de segunda-feira em Lisboa, no gabinete do secretário-geral das Nações Unidas, em vésperas do debate geral anual desta organização, no qual Marcelo Rebelo de Sousa irá discursar pela segunda vez, na quarta-feira.

Segundo o programa divulgado pela Presidência da República, na segunda-feira o chefe de Estado participa e intervém na Cimeira de Paz Nelson Mandela, em homenagem ao antigo presidente sul-africano, nascido há cem anos, na sede das Nações Unidas, em que deverá ser adotada uma declaração política.

Na segunda feira à tarde, Marcelo Rebelo de Sousa tem previstos encontros bilaterais com os presidentes da República do Quénia, Uhuru Kenyatta, e das ilhas do Palau, Tommy Remengesau.

O debate geral desta 73.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas tem início na terça-feira de manhã, com intervenções dos chefes de Estado do Brasil, Michel Temer, dos Estados Unidos da América, Donald Trump, de França, Emmanuel Macron, do Peru, Martín Vizcarra, e do Irão, Hassan Rohani, entre outros.

Neste dia, o Presidente da República participa também num evento de alto-nível sobre ação para a manutenção de paz e numa reunião de chefes de delegação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Além disso, tem previstas reuniões bilaterais com os seus homólogos de Moçambique, Filipe Nyusi, e da Colômbia, Iván Duque Márquez.

Na quarta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa irá discursar no debate geral da 73.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, órgão constituído por representantes de todos os 193 Estados-membros desta organização, no mesmo dia em que também falarão os chefes de Estado de Cabo Verde, da Ucrânia, do Quénia e da Polónia, entre outros.

Antes, terá um encontro bilateral com o Presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, e irá participar na cimeira sobre o clima "Um Planeta", promovida pelo secretário-geral das Nações Unidas e pelo Presidente francês, Emmanuel Macron.

O debate geral deste ano da Assembleia Geral das Nações Unidas tem como tema "Tornar a ONU relevante para todos: Liderança global e responsabilidade partilhada para sociedades pacíficas, equitativas e sustentáveis".

Em setembro de 2016, o Presidente da República participou na 71.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, focado na candidatura de António Guterres a secretário-geral desta organização - cargo para o qual o antigo primeiro-ministro português seria escolhido menos de um mês depois, iniciando funções em 01 de janeiro de 2017.

Há dois anos, Marcelo Rebelo de Sousa estreou-se no debate geral anual entre chefes de Estado e de Governo dos 193 Estados-membros da ONU com um discurso em que defendeu que o novo secretário-geral devia ser "um congregador de espíritos e de vontades", na linha de Mahatma Gandhi e Nelson Mandela.

No ano passado, foi o primeiro-ministro, António Costa, quem representou o Estado português na 72.ª sessão da Assembleia Geral da ONU.

+ notícias: Política

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.