Info

Distrital do PSD/Porto pede demissão do ministro da Saúde por causa do Infarmed

Distrital do PSD/Porto pede demissão do ministro da Saúde por causa do Infarmed
| Política
Porto Canal com Lusa

A direção da distrital do PSD do Porto pediu este sábado a demissão do ministro da Saúde, Adalberto Campos Ferreira, que anunciou a suspensão da transferência do Infarmed para a cidade.

"Visto que o senhor ministro da Saúde faltou com a sua palavra e com o seu compromisso, não pode o PSD distrital do Porto deixar de pedir a intervenção do senhor primeiro-ministro, António Costa, para que a 'palavra dada, seja palavra honrada', com a consequente demissão do ministro da Saúde, que muito tem lesado a região Norte", afirma o líder da direção da distrital do Porto do PSD, Alberto Machado, num comunicado.

O dirigente do PSD considera que "a forma atabalhoada e incoerente com que este Governo tem tratado o tão importante processo de descentralização coloca em causa a credibilidade e a seriedade dos responsáveis políticos e desacredita o Estado como um todo".

Alberto Machado apela agora à Assembleia da República para que "tenha em consideração todos os estudos e a equidade territorial para tomar a decisão de deslocalização do Infarmed para o Porto", depois de na sexta-feira o ministro da Saúde ter dito que a mudança a autoridade do medicamento dependerá da comissão parlamentar que vai acompanhar os processos de descentralização dos serviços públicos.

A distrital do PSD do Porto exige demissão do ministro por "quebra de compromisso", lembrando que há cerca de um ano, "sem que ninguém tivesse previsto", Adalberto Campos Fernandes anunciou, e bem, a deslocalização" para o Porto da sede do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde.

"Pareceu-nos uma decisão ajustada. Se a cidade do Porto competiu com outras cidades europeias e foi elogiada pelas suas capacidades técnicas, localização e qualidade de vida que ofereceria aos funcionários da EMA [a agência europeia do medicamento], por que não poderia oferecer o mesmo ao instituto local [Infarmed]?", questiona.

"É com grande consternação que agora ouvimos o ministro da Saúde a suspender a sua ideia de deslocar o Infarmed para o Porto. E, ao contrário do que disse, esta decisão é tudo menos coerente, visto que apenas um ano antes a dava como garantida a partir de 2019", acrescenta.

No entender da distrital do PSD, "esta nova decisão vem contrariar, inclusivamente, o próprio estudo do grupo trabalho constituído por este governo para avaliar o impacto da mudança deste instituto, o qual concluiu que a deslocalização para o Porto 'trará maior produtividade e eficiência, nomeadamente com a construção de instalações mais adequadas do que as atuais, no Parque de Saúde, em Lisboa'".

Adalberto Campos Fernandes disse na sexta-feira aos deputados, na comissão parlamentar de Saúde, que "o contexto político mudou significativamente" em relação há um ano, quando a decisão de mudar o Infarmed para o Porto foi tomada pelo Governo.

O ministro considera que a discussão sobre a deslocalização do Infarmed teve o mérito de "abrir um diálogo nacional sobre a descentralização dos serviços públicos".

Contudo, uma vez que o parlamento terá uma comissão para acompanhar processos de descentralização, o ministro disse que "não faria sentido extrair o Infarmed desse processo".

PM (ARP) // MP

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...