Info

Ministro da Saúde considera decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 set (Lusa) -- O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto "é coerente" com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

Em resposta a críticas do CDS-PP, Adalberto Campos Fernandes disse hoje na comissão parlamentar de Saúde que "há uma decisão coerente com o que foi dito na altura" em que o Governo anunciou a deslocalização da sede da Autoridade do Medicamento de Lisboa para o Porto e quando nomeou a comissão para estudar os cenários e impactos dessa deslocalização.

O ministro entende que o contexto político mudou, uma vez que foi constituída uma comissão na Assembleia da República para avaliar questões da descentralização de serviços públicos e entende que a questão do Infarmed não deve ser extraída dessa comissão, apesar de no caso da Autoridade do Medicamento se tratar de uma deslocalização.

No final da audição na comissão parlamentar de Saúde de hoje, na qual fez o anúncio sobre o Infarmed em declarações à agência Lusa, Campos Fernandes reiterou que "sempre disse" que a decisão política de deslocalizar a sede da instituição estava subordinada a linhas vermelhas, sendo uma dessas linhas a vontade dos trabalhadores do Infarmed de mudarem.

Segundo o ministro, o Ministério da Saúde terminou este mês a análise ao relatório do grupo de trabalho criado para estudar os cenários da deslocalização do Infarmed e foi com base nesse relatório, em conjunto com o "atual contexto político", que decidiu que a questão do Infarmed iria ser analisada para a comissão criada na Assembleia da República.

Para Campos Fernandes, a análise feita pelo grupo de trabalho sobre a manifestação da vontade dos trabalhadores, que não pretendiam mudar para o Porto, constitui uma "barreira" à deslocalização do Infarmed.

"É uma decisão tomada pelo ministro da Saúde tendo em conta o que resulta do relatório e tendo em conta o contexto político", afirmou à agência Lusa.

ARP // JMR

Lusa/fim

+ notícias: Política

Grande Reportagem: quais as diferenças na habitação social gerida pelas Câmaras e pelo Estado?

Em Portugal, a habitação social funciona a duas velocidades. As casas geridas pelas autarquias estão, na maior parte dos casos, em muito melhor estado do que as que pertencem ao Estado Central. O Porto Canal foi perceber quais as diferenças na habitação social que é gerida pelas Câmaras Municipais e aquela que é gerida pelo Estado.

Câmara do Porto assume falha na avaliação do impacto de construção nas Fontainhas

O presidente da Câmara do Porto assumiu esta segunda-feira que os serviços da autarquia e da Direção Geral do Património Cultural "falharam" na avaliação dos impactos de uma construção junto ao Passeio das Fontainhas cuja altura ultrapassa o muro público.

Atualizado 23-07-2019 11:25

Autarquia do Porto assina protocolo com instituições privadas onde oferece 63 bolsas de estudo

A Câmara Municipal do Porto assinou um protocolo com 12 instituições de ensino privado da cidade e vai oferecer 63 bolsas de estudo. As candidaturas já estão abertas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS