Info

António Costa diz que "em outubro tem de haver um acordo final" sobre o Brexit

António Costa diz que "em outubro tem de haver um acordo final" sobre o Brexit
| Economia
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje que em outubro tem de haver um acordo final para a saída do Reino Unido da União Europeia, depois de terem sido registados "progressos reais" nas negociações com o Governo de Theresa May.

"Hoje ficou muito claro que em outubro tem de haver um acordo final [do 'Brexit'], sem prejuízo de depois poder haver acertos de redação final. Mas a decisão sobre o acordo tem de ser tomada em outubro", defendeu.

António Costa, que falava em Salzburgo (Áustria) à saída da reunião informal de chefes de Estado e de Governo, negou que tenha ficado agendada uma cimeira extraordinária dedicada ao 'Brexit', desmentindo uma informação que tinha sido confirmada esta manhã pelo chanceler austríaco, Sebastian Kurz, que ocupa a presidência rotativa da UE.

"Não ficou marcada nenhuma cimeira para novembro, quando muito pode haver redações finais de pormenores que sejam necessários acertar, ou uma cerimónia que simbolize a conclusão, mas a negociação e a decisão de haver ou não haver acordo tem de ser tomada em outubro. Houve progressos reais e por isso decidiu-se decidir [sobre a cimeira] em outubro", esclareceu.

O primeiro-ministro assumiu que houve "avanços positivos" relativamente às propostas que Theresa May apresentou em Chequers.

"Deixou de ser uma questão de princípio não aceitarem em caso algum a jurisdição do Tribunal de Justiça [Europeu], mas o resultado da proposta dela verificou-se que não é praticável, porque não permite manter a unidade do mercado interno que é um princípio fundamental", esclareceu.

Costa indicou que o negociador comunitário, Michel Barnier, tem agora "um mandato claro e uma proposta clara [...] e bastante pragmática" que permitirá resolver a questão central da fronteira irlandesa, sem querer, no entanto, revelar os detalhes da mesma.

A questão do 'backstop' (solução de recurso) da fronteira irlandesa é a que mais 'dores de cabeça' tem causado nas negociações entre Bruxelas e Londres, uma vez que a União Europeia recusa estender a todo o território britânico a "proposta excecional" de incluir a Irlanda do Norte na união aduaneira comunitária.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

+ notícias: Economia

Laboratórios colaborativos querem criar dezenas de empregos qualificados

21 laboratórios colaborativos prometem criar 750 novos postos de trabalho pelo país. O presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia afirma que o objetivo é dar empregos qualificados.

Pão pode aumentar em 2019 em função de subida do salário mínimo e da matéria-prima

O preço do pão poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima, disse à Lusa o presidente da Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares do Norte.

Poder de compra em Portugal desce para 76,6% da média da União Europeia em 2017

O poder de compra em Portugal fixou-se em 76,6% da média da União Europeia em 2017, abaixo do ano anterior (77,2%), ocupando o 16º. lugar entre os países da zona euro, divulgou hoje o INE.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.