Info

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

De acordo com os organizadores, o objetivo foi protestar contra a incapacidade da cadeia de 'fast food' em pôr fim aos episódios constantes de assédios sexual de que os trabalhadores são alvo.

"Estou hoje aqui, em greve, [terça-feira] para exigir uma mudança", disse à agência France-Presse (AFP) Theresa Cervantes.

A mulher de 20 anos protestava com dezenas de funcionários, na sua maioria mulheres, em frente à sede da empresa em Chicago.

"O assédio sexual é um problema universal, é uma doença", lamentou.

Manifestantes também tomaram as ruas em cidades como Kansas City e Saint-Louis, segundo a AFP.

A greve acontece quatro meses depois de vários funcionários apresentarem uma denúncia à Comissão de Igualdade de Oportunidades no Emprego.

"Não podemos mais aceitar que um em cada dois trabalhadores sofra violência sob a supervisão do McDonald's", disse Karla Altmayer, organizadora da manifestação em Chicago.

Em comunicado, a gigante de 'fast food' garantiu que tem "políticas e procedimentos rigorosos" para evitar o assédio sexual.

O #MeToo (#EuTambém, na tradução em português) é usado como frase-chave para o movimento de denúncia e combate a assédio sexual de mulheres, espoletado pelas denúncias contra o produtor norte-americano Harvey Weinstein.

+ notícias: Mundo

Von der Leyen quer Europa como primeiro continente neutro em carbono em 2050

A candidata à presidência da Comissão Europeia comprometeu-se hoje a tornar a Europa o primeiro continente a alcançar a meta da neutralidade carbónica em 2050, indicando que irá apresentar um "acordo verde" nos primeiros 100 dias no cargo.

Sismo na Califórnia causa múltiplos feridos e incêndios

O forte sismo que atingiu o sul da Califórnia na noite de sexta-feira provocou múltiplos feridos, incêndios e danos em estradas e edifícios, anunciaram as autoridades.

China vai deixar de subsidiar empresas estatais insustentáveis

Pequim, 16 jul 2019 (Lusa) - O Governo chinês vai deixar de subsidiar empresas estatais cujas operações são insustentáveis, visando aumentar a "eficiência" da economia chinesa, informou hoje a Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China, órgão máximo de planificação económica.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.