Info

Trabalhadores do McDonald's fizeram greve nos EUA contra o assédio sexual

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Trabalhadores do McDonald's realizaram, na terça-feira, em dez cidades norte-americanas, uma greve laboral contra o assédio sexual na empresa, em consonância com o movimento #MeToo.

De acordo com os organizadores, o objetivo foi protestar contra a incapacidade da cadeia de 'fast food' em pôr fim aos episódios constantes de assédios sexual de que os trabalhadores são alvo.

"Estou hoje aqui, em greve, [terça-feira] para exigir uma mudança", disse à agência France-Presse (AFP) Theresa Cervantes.

A mulher de 20 anos protestava com dezenas de funcionários, na sua maioria mulheres, em frente à sede da empresa em Chicago.

"O assédio sexual é um problema universal, é uma doença", lamentou.

Manifestantes também tomaram as ruas em cidades como Kansas City e Saint-Louis, segundo a AFP.

A greve acontece quatro meses depois de vários funcionários apresentarem uma denúncia à Comissão de Igualdade de Oportunidades no Emprego.

"Não podemos mais aceitar que um em cada dois trabalhadores sofra violência sob a supervisão do McDonald's", disse Karla Altmayer, organizadora da manifestação em Chicago.

Em comunicado, a gigante de 'fast food' garantiu que tem "políticas e procedimentos rigorosos" para evitar o assédio sexual.

O #MeToo (#EuTambém, na tradução em português) é usado como frase-chave para o movimento de denúncia e combate a assédio sexual de mulheres, espoletado pelas denúncias contra o produtor norte-americano Harvey Weinstein.

+ notícias: Mundo

Onze manifestantes detidos e 22 agentes feridos durante protesto em Hong Kong

A polícia de Hong Kong informou esta quinta-feira que 11 manifestantes foram detidos e 22 agentes ficaram feridos no protesto contra emendas à proposta de lei que preveem a extradição de suspeitos de crimes para a China.

Dois milhões em protesto em Hong Kong na véspera de greve geral - organização

Hong Kong, China, 16 jun 2019 (Lusa) -- Cerca de dois milhões de pessoas participaram hoje em Hong Kong num protesto contra a lei da extradição, segundo os organizadores, que apelam a uma greve geral na segunda-feira, enquanto a polícia estima a adesão em menos de 400 mil.

Netanyahu inaugura nos Montes Golã colonato batizado em honra de Donald Trump

Jerusalém, 16 jun 2019 (Lusa) -- O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, inaugurou hoje um novo colonato nos Montes Golã, território sírio anexado por Israel em 1981, batizado "Colina Trump" em honra do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.