Info

Vieira da Silva admite "problema" nas novas pensões, a resolver "até final do ano"

| Política
Porto Canal com Lusa

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social admitiu esta terça-feira que "existe um problema" na atribuição de novas pensões, devido à falta de pessoal e aos crescentes pedidos, mas disse que "até final do ano" os principais atrasos "serão resolvidos".

Atualizado 18-09-2018 20:49

"Não quero esconder o problema. Nos casos mais complexos, com carreiras contributivas mais diversificadas e nalgumas regiões onde há maior concentração, existe o risco de haver casos que demorem um pouco mais de tempo. Esses são a nossa prioridade e penso que, até ao final do ano, todos os casos de longa duração serão resolvidos, sendo que, depois, resta-nos trazer o valor médio para um valor aceitável, que era aquele que existia na Segurança Social antes desta sangria [de funcionários], que são os três meses que a lei prevê", afirmou Vieira da Silva.

O ministro prestou estas declarações aos jornalistas à margem de um fórum da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) dedicado aos postos de trabalho do futuro, que decorre hoje e quarta-feira no Porto.

Comentando dados avançados hoje ao jornal Correio da Manhã pela Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), segundo a qual a atribuição de novas pensões pela Segurança Social regista, atualmente, atrasos que, em alguns casos, atingem os nove meses, o ministro afirmou que os "valores médios são significativamente mais baixos", rondando os "150/160 dias nas pensões de velhice".

+ notícias: Política

António Costa diz que Governo está disposto a chegar a um acordo com os enfermeiros

O primeiro-ministro, António Costa, avançou este sábado em Madrid que o Governo está disposto chegar a acordo sobre a "revisão da carreira" com os enfermeiros, assim como "procurar corrigir" algumas injustiças da anterior eliminação das categorias.

Mais de 60 pessoas pedem à Câmara do Porto reversão de despejo de reclusa

Mais de 60 pessoas manifestaram-se este sábado no bairro do Lagarteiro, Porto, para a Câmara reverter o despejo "cruel" de uma reclusa "prestes a sair em liberdade" que, segundo o advogado, foi "efetivado antes de ela ser notificada".

Governo assume voltar às negociações e enfermeiros terminam greve de fome

Sindicatos do Enfermeiros e o Ministério da Saúde vão voltar à mesa das negociações. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido, o que já levou a que os dois enfermeiros em greve de fome cancelassem o protesto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.