Info

Hotéis com menor taxa de ocupação mas preços mais altos num julho "frio"

Hotéis com menor taxa de ocupação mas preços mais altos num julho "frio"
| Economia
Porto Canal com Lusa

A taxa de ocupação na hotelaria portuguesa recuou 2,3 pontos percentuais em julho face ao mês homólogo, para 80%, mas o preço médio por quarto ocupado aumentou 11%, para 117 euros, divulgou esta segunda-feira a associação setorial.

Segundo o indicador mensal 'Tourism Monitors' da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em julho, o Algarve foi o destino que registou uma melhor performance no preço médio por quarto ocupado (ARR), com 162 euros, seguido do Estoril (131 euros) e de Lisboa (125 euros).

No mês em análise, o preço médio por quarto disponível (RevPAR) cresceu também a dois dígitos, 12%, para os 94 euros, destacando-se, em termos relativos, o crescimento de 31% em Coimbra, de 23% do Alentejo e de 19% em Lisboa.

Por destinos turísticos, Lisboa (97%), Açores (85%) e Algarve (84%) registaram as taxas de ocupação quarto mais elevadas, tendo-se verificado quebras da taxa de ocupação nas categorias cinco, quatro e três estrelas.

Pela negativa, a AHP destaca a "quebra significativa" da taxa de ocupação em Leiria/Fátima/Templários (menos 9,7 pontos percentuais para 53%), na Madeira (menos 9,2 pontos percentuais para 81%) e nos Açores (menos 5,6 pontos percentuais para 85%), enquanto pela positiva aponta o "crescimento expressivo" em Coimbra (mais 10,7 pontos percentuais para 80%), nas Beiras (mais 7,5 pontos percentuais para 63%) e no Alentejo (mais 6,1 pontos percentuais para 73%).

Pelo segundo mês consecutivo, a categoria três estrelas foi a que registou um maior crescimento no preço médio por quarto ocupado (ARR) e no preço médio por quarto disponível (RevPAR), de 20% e 16%, respetivamente.

"Dos 14 destinos analisados pelo 'Hotel Monitor', nove apresentaram resultados negativos na taxa de ocupação e um estagnou neste indicador. A boa notícia vem de um crescimento muito expressivo neste indicador nos destinos do interior neste mês", refere a presidente executiva da AHP, citada num comunicado.

Segundo Cristina Siza Vieira, "nos destinos 'Sol e Mar' esta queda já era prevista, com um mês de julho frio, o mais frio desde 2000, levando a que parte dos mercados norte-europeus ficasse 'em casa'", numa tendência sentida também nos "destinos balneares em Espanha".

"Há no entanto a sinalizar que o preço médio cresceu muito em todos os destinos em termos homólogos, situação que fez crescer o RevPAR, a nível nacional, em 12%", acrescenta.

+ notícias: Economia

Pão pode aumentar em 2019 em função de subida do salário mínimo e da matéria-prima

O preço do pão poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima, disse à Lusa o presidente da Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares do Norte.

Poder de compra em Portugal desce para 76,6% da média da União Europeia em 2017

O poder de compra em Portugal fixou-se em 76,6% da média da União Europeia em 2017, abaixo do ano anterior (77,2%), ocupando o 16º. lugar entre os países da zona euro, divulgou hoje o INE.

Pensões aumentam entre 0,78% e 1,6% em janeiro com base na inflação

As pensões vão aumentar entre 0,78% e 1,6% em janeiro de 2019, segundo cálculos feitos com base nos valores da inflação de novembro publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e confirmados pelo Ministério do Trabalho.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.