Info

Hotéis com menor taxa de ocupação mas preços mais altos num julho "frio"

Hotéis com menor taxa de ocupação mas preços mais altos num julho "frio"
| Economia
Porto Canal com Lusa

A taxa de ocupação na hotelaria portuguesa recuou 2,3 pontos percentuais em julho face ao mês homólogo, para 80%, mas o preço médio por quarto ocupado aumentou 11%, para 117 euros, divulgou esta segunda-feira a associação setorial.

Segundo o indicador mensal 'Tourism Monitors' da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em julho, o Algarve foi o destino que registou uma melhor performance no preço médio por quarto ocupado (ARR), com 162 euros, seguido do Estoril (131 euros) e de Lisboa (125 euros).

No mês em análise, o preço médio por quarto disponível (RevPAR) cresceu também a dois dígitos, 12%, para os 94 euros, destacando-se, em termos relativos, o crescimento de 31% em Coimbra, de 23% do Alentejo e de 19% em Lisboa.

Por destinos turísticos, Lisboa (97%), Açores (85%) e Algarve (84%) registaram as taxas de ocupação quarto mais elevadas, tendo-se verificado quebras da taxa de ocupação nas categorias cinco, quatro e três estrelas.

Pela negativa, a AHP destaca a "quebra significativa" da taxa de ocupação em Leiria/Fátima/Templários (menos 9,7 pontos percentuais para 53%), na Madeira (menos 9,2 pontos percentuais para 81%) e nos Açores (menos 5,6 pontos percentuais para 85%), enquanto pela positiva aponta o "crescimento expressivo" em Coimbra (mais 10,7 pontos percentuais para 80%), nas Beiras (mais 7,5 pontos percentuais para 63%) e no Alentejo (mais 6,1 pontos percentuais para 73%).

Pelo segundo mês consecutivo, a categoria três estrelas foi a que registou um maior crescimento no preço médio por quarto ocupado (ARR) e no preço médio por quarto disponível (RevPAR), de 20% e 16%, respetivamente.

"Dos 14 destinos analisados pelo 'Hotel Monitor', nove apresentaram resultados negativos na taxa de ocupação e um estagnou neste indicador. A boa notícia vem de um crescimento muito expressivo neste indicador nos destinos do interior neste mês", refere a presidente executiva da AHP, citada num comunicado.

Segundo Cristina Siza Vieira, "nos destinos 'Sol e Mar' esta queda já era prevista, com um mês de julho frio, o mais frio desde 2000, levando a que parte dos mercados norte-europeus ficasse 'em casa'", numa tendência sentida também nos "destinos balneares em Espanha".

"Há no entanto a sinalizar que o preço médio cresceu muito em todos os destinos em termos homólogos, situação que fez crescer o RevPAR, a nível nacional, em 12%", acrescenta.

+ notícias: Economia

"O terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional"

O Banco Português do Atlântico faria este ano 100 anos de existência. Os ex trabalhadores juntaram-se para relembrar o ultimo grande baluarte de uma instituação com sede no Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do FC Porto, afirma que "o terminar do BPA foi talvez o primeiro passo para o desmoronamento da banca nacional".

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.