Info

Portugal com segunda menor taxa de vagas de emprego no 2º trimestre

Portugal com segunda menor taxa de vagas de emprego no 2º trimestre
| Economia
Porto Canal com Lusa

A taxa de vagas de emprego no segundo trimestre fixou-se nos 2,1% na zona euro e nos 2,2% na União Europeia (UE), com Portugal a apresentar a segunda mais fraca (0,9%), segundo o Eurostat.

Na zona euro, a taxa de vagas de emprego subiu para os 2,1% entre abril e junho, face à de 1,9% registada no mesmo período de 2017, mas mantendo-se estável na comparação com o primeiro trimestre.

Na UE, os 2,2% registados entre abril e junho representam um avanço na comparação com os 2,0% de vagas de emprego no período homólogo, não variando face aos primeiros três meses do ano.

As taxas de vagas de emprego mais altas foram registadas na República Checa (5,4%), na Bélgica (3,5%), na Holanda (3,1%) e na Alemanha (2,9%), enquanto as mais baixas se observaram na Grécia (0,7%), na Bulgária, em Espanha e Portugal (0,9% cada).

Face ao segundo trimestre de 2017, a taxa de vagas de emprego aumentou em 20 Estados-membros, manteve-se estável noutros sete e recuou na Estónia.

Em Portugal, a taxa de vagas de empregos manteve-se estável nos 0,9% quer na comparação homóloga quer face ao primeiro trimestre do ano.

+ notícias: Economia

Novas regras para alojamento local entram em vigor no domingo

O diploma que permite às câmaras municipais e às assembleias de condóminos intervirem na autorização do alojamento local entra em vigor no domingo, permitindo a fixação de “áreas de contenção” para “preservar a realidade social dos bairros e lugares”.

Vistos Gold: Investimento cai 5% em setembro para 37 milhões de euros

O investimento resultante da atribuição de vistos 'gold' caiu 5% em setembro, em termos homólogos, para 37 milhões de euros, e 19% face a agosto, de acordo com os dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Carne de porco portuguesa duplica exportações ao iniciar vendas para a China em 2019

Os suinicultores portugueses têm "praticamente fechado" um acordo com a China, que lhes permite em 2019 duplicar as exportações e começar a crescer, três anos após a maior crise, anunciou esta terça-feira a Federação Portuguesa de Associações de Suinicultura (FPAS).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.