Info

Nova regra para longas carreiras contributivas deverá abranger mil a duas mil pessoas

| Economia
Porto Canal com Lusa

O fim dos cortes nas pensões para quem começou a trabalhar aos 16 anos e reúne 46 anos de contribuições abrangerá entre 1.000 a 2.000 pessoas, com um custo estimado entre 4 a 5 milhões de euros, anunciou hoje o Governo.

Atualizado 24-08-2018 11:57

Os dados foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros onde foi aprovado o diploma que "reforça a valorização das muito longas carreiras contributivas".

Em causa está o fim do fator de sustentabilidade (que corta este ano 14,5% do valor das pensões antecipadas) para os trabalhadores inscritos na Caixa Geral de Aposentações (CGA) ou no regime geral da Segurança Social com e idade igual ou inferior a 16 anos e que tenham, pelo menos, 46 anos de serviço.

Em outubro do ano passado foi dado um primeiro passo, com a entrada em vigor do fim dos cortes para quem tem pelo menos 60 anos de idade e 48 anos de carreira contributiva ou que tenha começado a trabalhar com 14 anos (ou antes) e reúna 46 anos de contribuições. Esta medida abrangeu 15 mil pedidos de reforma.

+ notícias: Economia

Covid-19: Comunidade chinesa reabre armazéns com “otimismo” na retoma

Os comerciantes chineses radicados em Vila do Conde, distrito do Porto, que compõe uma das maiores comunidades país, estão gradualmente a retomar a sua atividade, mostrando "otimismo" na retoma dos negócios, também afetados pela pandemia de covid-19.

Covid-19: Estúdios de tatuagens e bodypiercing reabrem esta segunda-feira

Os estúdios de tatuagens e bodypiercing vão poder reabrir esta segunda-feira na terceira fase de desconfinamento, depois de dois meses encerrados face à pandemia de Covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.