Info

Nova regra para longas carreiras contributivas deverá abranger mil a duas mil pessoas

| Economia
Porto Canal com Lusa

O fim dos cortes nas pensões para quem começou a trabalhar aos 16 anos e reúne 46 anos de contribuições abrangerá entre 1.000 a 2.000 pessoas, com um custo estimado entre 4 a 5 milhões de euros, anunciou hoje o Governo.

Atualizado 24-08-2018 11:57

Os dados foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros onde foi aprovado o diploma que "reforça a valorização das muito longas carreiras contributivas".

Em causa está o fim do fator de sustentabilidade (que corta este ano 14,5% do valor das pensões antecipadas) para os trabalhadores inscritos na Caixa Geral de Aposentações (CGA) ou no regime geral da Segurança Social com e idade igual ou inferior a 16 anos e que tenham, pelo menos, 46 anos de serviço.

Em outubro do ano passado foi dado um primeiro passo, com a entrada em vigor do fim dos cortes para quem tem pelo menos 60 anos de idade e 48 anos de carreira contributiva ou que tenha começado a trabalhar com 14 anos (ou antes) e reúna 46 anos de contribuições. Esta medida abrangeu 15 mil pedidos de reforma.

+ notícias: Economia

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Secretária de Estado da Habitação diz que "todos temos que lutar contra" crime no mercado imobiliário

Os preços das casas estão a estabilizar, mas continuam muito altos para a maioria dos portugueses. Em entrevista exclusiva ao Porto Canal, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, assume que a classe média está em dificuldade e mostra-se preocupada com as suspeitas de crime, associadas à especulação imobiliária no Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...