Jornal Diário Jornal das 13

Governo francês pretende taxar plástico não reciclado a partir de 2019

| Economia
Porto Canal com Lusa

Paris, 12 ago (Lusa) -- O Governo francês pretende começar a aplicar a partir de 2019 um imposto sobre os produtos de plástico que não tenham sido reciclados, com o objetivo de promover práticas mais amigas do meio ambiente.

"Amanhã, uma garrafa de plástico reciclada irá custar menos ao consumidor", revelou a secretária de Estado da Ecologia Brune Poirson, numa entrevista publicada hoje no Le Journal du Dimanche.

O consumidor será penalizado se eleger um produto não reciclado e poderá pagar até mais 10% caso opte por esta opção.

Segundo Poirson, haverá uma etiqueta visível em todos os recipientes para indicar se o produto é proveniente ou não de fontes recicláveis.

A meta é mobilizar o consumidor para alternativas com menor impacto ecológico e aumentar a baixa percentagem de reciclagem de plásticos.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu durante a campanha eleitoral alcançar 100% de reciclagem de plástico até 2025 em França, contra os 25% praticados atualmente, de acordo com dados da revista 60 Millions de Consommateurs.

A difusão massiva nas redes sociais de imagens dos oceanos e da fauna marinha a sufocar sob os resíduos de plástico, e o lançamento de iniciativas como os "ataques ao plástico" -- reuniões de consumidores que juntam as suas embalagens à saída dos supermercados -- começam a gerar respostas políticas um pouco por todo o mundo.

Para o presidente da Federação Francesa de Embalagens Plásticas (Elipso), Emmanuel Guichard, é importante que as alternativas ao plástico existam.

"Para as garrafas, é uma escolha do consumidor que é possível. Mas não devemos esquecer os outros. Hoje há plástico que não é reciclado", frisou.

Por seu turno, Flora Berlingen, diretora da associação Zero Waste France, disse esperar que os fabricantes "façam o seu jogo para que os consumidores não sejam prejudicados".

RCP // ROC

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Não param de aumentar os registos de alojamento local

Tem aumentado exponencialmente o número de registos de alojamento local em Portugal. Os proprietários estão a aproveitar enquanto a nova lei não entra em vigor. Com as novas regras, as autarquias passam a ter mais poderes e podem inclusive criar zonas nas cidades sem este tipo de alojamento.

Menos turistas estrangeiros reduzem dormidas nos hotéis em 2,9% em junho

As dormidas na hotelaria diminuíram 2,9% em junho em termos homólogos, devido sobretudo aos turistas estrangeiros que pernoitaram menos 5,1% nos hotéis portugueses nesse mês, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Portugal ascende ao 2º lugar dos países que mais fundos recebem de Bruxelas

Portugal recebeu, em três anos, 5,7 mil milhões de euros da Comissão Europeia, ascendendo ao segundo lugar entre os Estados-membros que mais fundos comunitários receberam até junho, segundo dados revelados por Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.