Info

Governo francês pretende taxar plástico não reciclado a partir de 2019

| Economia
Porto Canal com Lusa

Paris, 12 ago (Lusa) -- O Governo francês pretende começar a aplicar a partir de 2019 um imposto sobre os produtos de plástico que não tenham sido reciclados, com o objetivo de promover práticas mais amigas do meio ambiente.

"Amanhã, uma garrafa de plástico reciclada irá custar menos ao consumidor", revelou a secretária de Estado da Ecologia Brune Poirson, numa entrevista publicada hoje no Le Journal du Dimanche.

O consumidor será penalizado se eleger um produto não reciclado e poderá pagar até mais 10% caso opte por esta opção.

Segundo Poirson, haverá uma etiqueta visível em todos os recipientes para indicar se o produto é proveniente ou não de fontes recicláveis.

A meta é mobilizar o consumidor para alternativas com menor impacto ecológico e aumentar a baixa percentagem de reciclagem de plásticos.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu durante a campanha eleitoral alcançar 100% de reciclagem de plástico até 2025 em França, contra os 25% praticados atualmente, de acordo com dados da revista 60 Millions de Consommateurs.

A difusão massiva nas redes sociais de imagens dos oceanos e da fauna marinha a sufocar sob os resíduos de plástico, e o lançamento de iniciativas como os "ataques ao plástico" -- reuniões de consumidores que juntam as suas embalagens à saída dos supermercados -- começam a gerar respostas políticas um pouco por todo o mundo.

Para o presidente da Federação Francesa de Embalagens Plásticas (Elipso), Emmanuel Guichard, é importante que as alternativas ao plástico existam.

"Para as garrafas, é uma escolha do consumidor que é possível. Mas não devemos esquecer os outros. Hoje há plástico que não é reciclado", frisou.

Por seu turno, Flora Berlingen, diretora da associação Zero Waste France, disse esperar que os fabricantes "façam o seu jogo para que os consumidores não sejam prejudicados".

RCP // ROC

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Portugal com taxa de risco de pobreza de 23,3%, abaixo da média da UE

Portugal apresentava em 2017 uma taxa de 23,3% de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social, acima da média da União Europeia (UE 22,5%) mas 2,7 pontos abaixo da de 2008, divulgou hoje o Eurostat.

Governo não atualiza IRS e ameaça contribuintes que tenham aumentos salariais

Os escalões do IRS não vão sofrer qualquer atualização em 2019, segundo a proposta de Orçamento do Estado entregue segunda-feira no parlamento, o que poderá penalizar os contribuintes que venham a ter aumentos salariais.

Funcionários públicos recebem metade da progressão em janeiro

Os funcionários públicos que tiverem direito a progredir em 2019 vão receber metade do acréscimo salarial em janeiro, 75% em maio e 100% em dezembro, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) entregue esta terça-feira no parlamento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.