Jornal Diário Jornal das 13

Comunistas apontam "gritante contradição" a Governo sobre descongelamento de militares

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 ago (Lusa) - O dirigente do PCP Rui Fernandes sublinhou hoje a "gritante contradição" do executivo socialista em relação a negociações para o descongelamento das carreiras militares, face à situação verificada com a classe profissional dos docentes.

"Quanto ao descongelamento das carreiras e à exigência do cumprimento do artigo 19.º do Orçamento do Estado, há, por parte dos responsáveis políticos, a gritante contradição de quem ainda não abriu o processo negocial com as associações militares e é contra o sindicalismo militar, mas que, publicamente, assume que as condições do cumprimento da lei para os militares resultarão do processo de negociação e da luta dos sindicatos de professores", afirmou.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do PCP, o membro da comissão política do Comité Central declarou ser "uma ilusão pensar que a situação atual de degradação das Forças Armadas (FA) pode ser invertida a reboque do aprofundamento do seu envolvimento nas estruturas europeias e na NATO".

"Exemplo disso é o facto de as FA não terem há muito as condições para cumprir todas as suas missões, mesmo quando estas são executadas à custa de uma elevada sobrecarga e desgaste do pessoal", lamentou.

Rui Fernandes criticou ainda "notícias que diversos responsáveis políticos e militares vão colocando na comunicação social, a propósito da Lei de Programação Militar", pois "avolumam as dúvidas quanto à definição de prioridades para aquisição de novos meios".

O dirigente comunista exemplificou com "a ideia de um navio polivalente logístico" quando a Armada enfrenta "enormes dificuldades financeiras", nomeadamente o "processo de revisão/manutenção dos submarinos, que pode, em parte, estar em causa, bem como a sua execução em Portugal".

Outro exemplo citado foi o da aquisição dos aviões KC390, cujos sucessivos adiamentos podem gerar um "aumento exponencial do seu valor inicial" na ordem dos 40%.

HPG // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo decreta dispensa de trabalhadores que sejam bombeiros nos distritos em alerta

O Governo determinou esta sexta-feira a dispensa de funcionários públicos e do setor privado que sejam ao mesmo tempo bombeiros nos distritos em alerta vermelho "face ao significativo agravamento do risco de incêndio florestal".

BE quer aproximar salários dos trabalhadores aos dos gestores

O Bloco de Esquerda (BE) quer diminuir a desigualdade salarial entre os gestores e os trabalhadores da mesma empresa em Portugal, avançando com um projeto de lei que abre a porta à fixação de rácios.

Atualizado 18-08-2018 11:50

Governo quer acabar com a reforma obrigatória na Função Pública

O Governo prepara-se para acabar com a reforma obrigatória dos funcionários públicos aos 70 anos. Esta é uma regra com quase um século que tem sido bastante criticada mas que ainda assim não é consensual.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...