Info

Seul revela importações ilegais da Coreia do Norte que violam sanções da ONU

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Seul, 10 ago (Lusa) - A Coreia do Sul informou hoje que um total de 35 mil toneladas de carvão e ferro norte-coreanos entraram ilegalmente nos seus portos em 2017, numa possível violação das sanções da ONU.

Com base em resultados preliminares de uma investigação que se prolongou durante dez meses, o Serviço Alfandegário da Coreia do Sul anunciou que deverá avançar com processos contra três empresas locais e respetivos executivos por contrabando e falsificação de documentos que procuraram alterar a identificação da origem dos recursos minerais norte-coreanos, com a indicação de que vinham da Rússia.

As empresas importaram carvão e ferro norte-coreano em sete ocasiões diferentes, entre abril e outubro do ano passado, para cinco portos sul-coreanos, informou a alfândega, referindo ainda que as 35 toneladas destes produtos estão avaliadas em cinco milhões de euros.

A ONU proibiu as importações de minerais norte-coreanos em agosto de 2017.

A Coreia do Sul começou a investigar em outubro as alegações de que o carvão norte-coreano podia ter entrado nos seus portos.

As primeiras sanções do Conselho de Segurança da ONU foram impostas após o primeiro teste nuclear de Pyongyang, em 2006.

Um relatório recente do Conselho de Segurança indicou que o regime de Kim Jong-un está a violar as sanções da ONU, com embarques clandestinos de carvão, petróleo e equipamento militar.

JMC // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Número de mortos contabilizados por Moçambique devido ao ciclone sobe para 417

O número de mortos contabilizados por Moçambique, devido ao ciclone Idai, subiu este sábado para 417, anunciaram hoje as autoridades.

Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria

As Forças Democráticas Sírias anunciaram este sábado que o "califado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Bagouz, o último reduto 'jihadista' na Síria.

PJ de Macau desmantela rede que lucrou 35,1 ME com negócio da prostituição desde 2017

As autoridades de Macau detiveram 13 membros de um grupo suspeito de lenocínio e associação criminosa que a Polícia Judiciária (PJ) acredita ter obtido, desde 2017, 313 milhões de dólares de Hong Kong (35,1 milhões de euros).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.