Info

Sobe para 26 o número de mortos devido às monções no sul da Índia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Nova Deli, 10 ago (Lusa) - Pelo menos 26 pessoas morreram e 15.500 ficaram desalojadas devido a inundações e deslizamentos de terra no estado de Kerala, no sul da Índia, atingido desde quarta-feira pelas fortes chuvas das monções.

O balanço anterior das autoridades indianas apontava para 19 mortos, a maior parte no distrito de Idukki.

Muitas áreas ficaram submersas com a abertura da barragem Idamalayar, cuja albufeira estava com excesso de água.

O distrito de Wayanad ficou sem acesso a outras regiões devido aos deslizamentos de terra, tendo o Governo indiano pedido ajuda às forças armadas para restaurar a rede viária.

Em julho, as fortes chuvas que atingiram o estado indiano de Uttar Pradesh, no norte, causaram 150 mortos, 120 feridos e afetaram milhares de pessoas e casas, de acordo com as autoridades.

Os desastres meteorológicos são comuns no sul da Ásia na época mais intensa das monções, entre julho e agosto, quando muitas vezes deixam centenas de mortos e milhões afetados na região.

Em agosto passado, cerca de 700 pessoas morreram no norte da Índia devido a incidentes relacionados com as fortes chuvas, sendo mais afetados os estados de Bihar e Uttar Pradesh.

FST (CSR/RAZR/EL) // JMC

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Número de mortos contabilizados por Moçambique devido ao ciclone sobe para 417

O número de mortos contabilizados por Moçambique, devido ao ciclone Idai, subiu este sábado para 417, anunciaram hoje as autoridades.

Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria

As Forças Democráticas Sírias anunciaram este sábado que o "califado" do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Bagouz, o último reduto 'jihadista' na Síria.

PJ de Macau desmantela rede que lucrou 35,1 ME com negócio da prostituição desde 2017

As autoridades de Macau detiveram 13 membros de um grupo suspeito de lenocínio e associação criminosa que a Polícia Judiciária (PJ) acredita ter obtido, desde 2017, 313 milhões de dólares de Hong Kong (35,1 milhões de euros).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.