Jornal Diário Jornal das 13

Mudança na classe 1 das portagens vai acabar com discriminação no setor

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 ago (Lusa) - A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) congratulou-se hoje com a inclusão de veículos até 1,30 metros na classe 1 das portagens das autoestradas, a mais barata, considerando que a mudança vai acabar com a "discriminação" no setor.

"A ACAP congratula-se [com este cenário porque] é aquele que, no imediato, resolve as distorções que há no mercado e resolve também os constrangimentos para a indústria automóvel em Portugal", disse à agência Lusa o secretário-geral da ACAP, Hélder Pedro.

Segundo o responsável, a medida hoje aprovada em Conselho de Ministros, de que os veículos que pagam menos portagem passam a incluir os que têm peso bruto inferior ou igual a 2.300 quilogramas e altura ao primeiro eixo até 1,30 metros, "vem pôr fim a uma discriminação" que existia no setor.

"Achamos que não vai aumentar as vendas, vai é criar maior justiça, porque havia modelos que não se vendiam por este critério e, assim, todos têm hipótese de estar no mercado, é isso que defendemos, a equidade do mercado", justificou.

Hélder Pedro observou que, até aqui, "as pessoas escolhiam os modelos que não pagassem classe 2", isto caso quisessem andar em autoestradas.

Agora, com a nova medida, haverá "uma elasticidade na procura", realçou.

Em causa está, assim, "uma escolha mais diversificada de modelos", bem como um maior tráfego nas autoestradas, o que, consequentemente, "aumenta as receitas também", apontou.

Além disso, de acordo com secretário-geral da ACAP, o decreto-lei hoje aprovado vem adaptar-se à evolução do setor, já que a definição de classes anterior não tinha "em conta a nova realidade do mercado".

"Isto [as classes] foi definido em 2000, há 13 anos, e entretanto o 'design' dos carros evoluiu, com os SUV e os 'crossovers'", assinalou, notando que os carros de hoje em dia acabam por ter "pouco peso", mas "uma altura frontal acima do mínimo estabelecido".

Além disso, a nova classe abrange "a diretiva de proteção de peões que, entretanto, apareceu e que obrigou os carros a elevar a altura frontal", bem como responde às necessidades da indústria, que pode produzir outros modelos, como fábrica da PSA em Mangualde, adiantou Hélder Pedro.

O ajuste das classes vinha a ser reivindicado pelo setor, nomeadamente, pelo grupo PSA, que tem uma fábrica em Mangualde e tinha referido que o investimento em Portugal poderia estar em causa caso se mantivesse o modelo de pagamento das portagens anexado à altura dos veículos.

Com o modelo atual de portagens, a nova viatura fabricada em Mangualde, por ter mais de 1,10 metros de altura, deveria ser incluída na classe 2 e agora será classe 1.

Questionada pela Lusa sobre as novas regras, a Brisa, concessionária de várias autoestradas portuguesas, referiu decorrerem conversações com o executivo.

"Estamos em conversações com o Governo e, neste momento, não podemos adiantar mais nada", respondeu fonte oficial da empresa.

ANE/PL // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Não param de aumentar os registos de alojamento local

Tem aumentado exponencialmente o número de registos de alojamento local em Portugal. Os proprietários estão a aproveitar enquanto a nova lei não entra em vigor. Com as novas regras, as autarquias passam a ter mais poderes e podem inclusive criar zonas nas cidades sem este tipo de alojamento.

Menos turistas estrangeiros reduzem dormidas nos hotéis em 2,9% em junho

As dormidas na hotelaria diminuíram 2,9% em junho em termos homólogos, devido sobretudo aos turistas estrangeiros que pernoitaram menos 5,1% nos hotéis portugueses nesse mês, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Portugal ascende ao 2º lugar dos países que mais fundos recebem de Bruxelas

Portugal recebeu, em três anos, 5,7 mil milhões de euros da Comissão Europeia, ascendendo ao segundo lugar entre os Estados-membros que mais fundos comunitários receberam até junho, segundo dados revelados por Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.