Info

Pelo menos 22 mortos e 50 mil afetados pelas inundações no Níger

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Niamey, 09 ago (Lusa) - Pelo menos vinte e duas pessoas morreram no Níger e cerca de 50 mil foram afetadas pelas inundações que atingiram o país, anunciaram na quarta-feira as autoridades.

"Até ao dia 06 de agosto, temos registo de pelo menos 49.845 pessoas afetadas (...) e, infelizmente, de 22 mortos", lamentou o ministro da Ação Humanitária, Laouan Magadji.

Em meados de julho, o balanço das Nações Unidas apontava para 13 mortos e 17 mil pessoas afetadas pelas chuvas torrenciais no Níger.

De acordo com o ministro, as inundações destruíram 3.131 casas e 3.902 hectares de plantações. Além disso, 26.344 cabeças de gado foram dizimadas e 33 poços de água potável danificados.

As áreas mais afetadas pelo clima são Maradi (centro-sul), Diffa (sudeste), Zinder (centro-leste), Tahoua (oeste).

Na capital, Niamey, as fortes chuvas registadas desde o início da semana deixaram sem casa pelo menos duas mil pessoas, a quem o Governo e várias instituições já distribuíram alimentos, roupas e mosquiteiros, garantiu o ministro.

Apesar da curta duração da estação chuvosa - não mais do que três meses - e da baixa pluviosidade, o país tem enfrentado inundações recorrentes nos últimos anos, inclusive nas áreas mais desérticas do Norte.

Um paradoxo neste estado muito seco, onde as colheitas fracas são geralmente causadas pela seca.

Em 2017, 56 pessoas, incluindo 20 em Niamey, morreram devido a inundações que afetaram mais de 206 mil pessoas, segundo a ONU.

Este ano, as autoridades anunciaram a conclusão da construção de várias represas para proteger milhares de habitantes da capital das inundações causadas pela inundação do rio Níger.

FST // JMC

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

Morreu o cantor Roberto Leal

O cantor Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo em São Paulo, no Brasil, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Manifestantes junto ao consulado britânico pedem que Reino Unido salve Hong Kong

Centenas de manifestantes estão reunidos no exterior do consulado britânico em Hong Kong, procurando apoio internacional na campanha que dura há mais de três meses por reformas democráticas no território semi-autónomo da China.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.