Info

CDS pede esclarecimentos ao Governo sobre eventuais atrasos na linha 112

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 06 ago (Lusa) -- O CDS-PP pediu hoje esclarecimentos ao Governo sobre os eventuais atrasos no tempo de atendimento da linha de emergência 112 e o que está a ser feito para normalizar este serviço público.

O CDS afirmou-se "surpreendido" com a notícia do Correio da Manhã segundo a qual a Central Sul do 112, em Oeiras, está com falta de pessoal, o que fez aumentar o tempo de atendimento durante o mês de agosto.

"O que se verifica, num momento particularmente intenso do ponto de vista das emergências médicas, é uma linha a funcionar com prazos de atendimento substancialmente superior aos desejáveis e esperáveis", afirmou o vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes numa conferência de imprensa, no parlamento, em Lisboa, sobre a situação na CP.

O grupo parlamentar centrista ainda hoje, afirmou, entregará uma pergunta ao Governo para o questionar "porque está esta linha a funcionar nestas condições e o que vai ser feito de imediato para que possa ser reposta" a linha de emergência, acrescentou.

O CM noticiou hoje que a central em Oeiras, que serve nove distritos do sul do país, está com falta de pessoal, tendo atualmente quatro funcionários quando o ideal seriam 12, o que fez aumentar o tempo de atendimento durante o mês de agosto.

Ao CM, o Ministério da Administração Interna admitiu que este "serviço é gerido de modo a que nos turnos com menos movimento esteja um menor número de operadores em atividade" e que está "a decorrer um novo processo de recrutamento junto da GNR".

NS // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

António Costa confirma remodelação no Governo mas remete anúncio para Marcelo

O primeiro-ministro, António Costa, confirmou este sábado que irá haver uma remodelação no Governo, tendo já entregue as alterações ao Presidente da República, que "no momento oportuno" as anunciará.

Rui Rio acusa Governo de "perder a mão na questão social"

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta sexta-feira que o Governo "perdeu a mão na questão social" acusando-o de vender Portugal como o país das maravilhas onde tudo é possível, quando a realidade é outra.

Atualizado 16-02-2019 13:23

56% dos portugueses não está interessado nas próximas Eleições Europeias

56% dos portugueses não está interessado nas próximas Eleições Europeias. A a abstenção é tradicionalmente elevada, mesmo assim, os portugueses gostam de fazer parte dos 28 e acham que a união é positiva para o país. Os dados do euro barómetro são o ponto de partida para a campanha das europeias, que são as primeiras depois do Brexit e num contexto em que os movimentos extremistas crescem pelo velho continente

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.