Jornal Diário Jornal das 13

Ordem vai avaliar códigos de conduta de hospitais para verificar se há 'lei da rolha'

Ordem vai avaliar códigos de conduta de hospitais para verificar se há 'lei da rolha'
| País
Porto Canal com Lusa

A Ordem dos Médicos vai analisar todos os códigos de conduta ética em vigor nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde para verificar se atentam contra o direito de denúncia de situações críticas ou de más condições de trabalho.

A ideia é perceber se os códigos de conduta das unidades de saúde estão a limitar os profissionais de denunciar situações anómalas que ponham em causa a saúde dos doentes ou os direitos e a saúde dos profissionais.

"Iremos solicitar ao Ministério da Saúde o envio de todos os códigos de conduta ética em vigor nas instituições e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde e não deixaremos de, por todos os meios, pugnar pela sua revogação/alteração na medida em que contrariem a Constituição da República, a Declarações Universal dos Direitos Humanos e o Código Deontológico", escreveu o bastonário da Ordem numa carta enviada à administração de um hospital, a que a agência Lusa teve acesso.

Confrontado com este documento, o bastonário explicou que o pedido ao Ministério da Saúde vai seguir na próxima semana. A Ordem pretende "analisar a dimensão dos códigos de conduta" dos hospitais e unidades de saúde "no que se relaciona com questões essenciais como as liberdades, direitos e garantias das pessoas".

Em declarações à agência Lusa, Miguel Guimarães disse que a Ordem já analisou alguns códigos que nem sequer salvaguardam "o direito e o dever de as pessoas denunciarem situações" que ponham em causa o direito dos doentes.

O bastonário lembra que tanto a Constituição como o Código Deontológico dos médicos consagram princípios e valores éticos relacionados com o dever de defender as pessoas e proteger os doentes, o "que inclui, naturalmente, o dever de denúncia de situações que possam colocar em causa o acesso ou a avaliação e tratamento dos doentes, incluindo situações de má prática, condicionada ou não pelas más condições de trabalho".

O Código Deontológico dos médicos refere que o médico "deve exercer a sua profissão em condições que não prejudiquem a qualidade dos seus serviços e a especificidade da sua ação, não aceitando situações de interferência externa que lhe cerceiem a liberdade de fazer juízos clínicos e éticos e de atuar em conformidade com a 'leges artis'".

O Código Deontológico estabelece também que é dever do médico "comunicar à Ordem todas as tentativas de condicionar a liberdade do seu exercício ou de imposição de condições que prejudiquem os doentes".

Na semana passada, o jornal Público noticiou que a Ordem dos Médicos enviou ao Centro Hospitalar Lisboa Norte, que integra o Santa Maria e o Pulido Valente, um pedido de esclarecimento sobre o código de ética da instituição.

Em maio, o Centro Hospitalar Lisboa Norte enviou um mail aos seus funcionários a recordar o código de ética, que invoca que "nenhum colaborador pode, por iniciativa própria ou a pedido, fornecer informação à comunicação social, sem que esteja mandatado prévia e superiormente".

Também o código do Centro Hospitalar Lisboa Central, por exemplo, refere que "nenhum colaborador do CHLC pode fornecer informações à comunicação social por iniciativa própria ou a pedido, sem que esteja mandatado prévia e superiormente".

+ notícias: País

Mais de 70 patrulhas militares reforçam prevenção de incêndios

Mais de 70 patrulhas militares (19 da Marinha e 53 do Exército), num total de 226 militares, estão no terreno desde este sábado e até ao dia 25 para apoiar a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na prevenção de incêndios.

Famílias com bebés recém-nascidos recebem apoio de projeto solidário

Várias famílias carenciadas com bebés recém-nascidos, de Norte a Sul do país, estão a ser apoiadas durante um ano por um projeto inovador. O Porto Canal foi conhecer o caso do Moisés, um bebé de quatro meses que recebeu um cabaz com vários produtos, sendo que para os pais esta é uma ajuda preciosa.

Sindicatos dizem que greve dos enfermeiros foi êxito e teve adesão de 95%

A greve dos enfermeiros, que durou cinco dias e termina esta sexta-feira, teve uma adesão de 95%, foi um "êxito" e levou ao cancelamento de mais de 2.000 cirurgias, avançou o presidente da Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros.

Atualizado 18-08-2018 11:46

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...