Jornal Diário Jornal das 13

Associação Comercial do Porto considera "irrealista" calendário de obras em Leixões

| Economia
Porto Canal com Lusa

A Associação Comercial do Porto (ACP) considerou esta sexta-feira "irrealista" o calendário de obras no Porto de Leixões apresentado pelo Ministério do Mar, dadas as intervenções necessárias na infraestrutura portuária e os constrangimentos na atividade portuária.

Atualizado 04-08-2018 11:48

O Ministério do Mar anunciou hoje, em comunicado, que os investimentos no Porto de Leixões e no Novo Terminal de Contentores estão "em linha com o calendário inicialmente previsto", considerando, por isso "erradas" as afirmações feitas pela ACP na quarta-feira, relativamente aos investimentos previstos.

Em nota de imprensa, a ACP reafirma hoje as acusações então feitas: "o calendário apresentado no comunicado do Ministério do Mar é completamente irrealista, dadas as intervenções necessárias na infraestrutura portuária e os constrangimentos que, ao contrário do que refere a administração da APDL, provocarão impactos no porto de pesca, dadas as necessidades não só de instalação do terminal como do parqueamento dos contentores".

No dia em que Governo e a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) criticaram as considerações da mais antiga associação empresarial portuguesa, a ACP insistiu que o Porto de Leixões "necessita hoje, apenas, de um Cais a -14m, algo que é possível materializar num espaço de três anos".

E precisou: "a abordagem, todavia, tem de ser diferente daquela que o Governo está a seguir pois, nesta, não vale a pena pensar num tempo de execução inferior a sete anos".

Frisando que os comunicados do Ministério do Mar e da APDL "fundamentam a profunda preocupação" da ACP relativamente "à autonomia, à gestão e à falta de investimento no porto de Leixões", alerta aquela associação que a "APDL não pode ser uma sucursal do Ministério do Mar".

Considerando gratuita e sem qualquer fundamento, em face da realização do estudo "Terminais Portuários e Infraestruturas Logísticas em Portugal", a acusação de "falta de iniciativa no sentido de manifestar alguma preocupação sobre estas matérias", a ACP resumiu a sua intervenção no processo.

O estudo, segundo a ACP, "foi enviado ao Ministério do Mar a 29 de junho de 2016", acompanhado de um "pedido de audiência", sendo que "nem o estudo nem o pedido de audiência mereceram qualquer resposta ou comentário", o mesmo sucedendo com outra solicitação em 2017.

Argumentando ter o Plano Estratégico do Porto de Leixões sido "amplamente discutido pelos atores do porto", onde "se inclui a ACP, através da Comunidade Portuária", observou que o documento "nunca foi tornado público, nem pela anterior administração, que o promoveu em 2016, nem pela atual", numa "atitude de secretismo que representa um retrocesso face ao Plano Estratégico anterior, relativo ao período 2004/2015".

Neste contexto, e dado que o Novo Terminal de Contentores a -14 metros "foi abordado já no Plano 2004/2015", considera a ACP que "qualquer redução de calendário agora não será uma virtude, mas um desespero face à necessidade urgente de operar navios que necessitem de fundos a -14 metros".

E conclui: "em contentores, por falta deste Cais (Terminal), o Porto de Leixões, nestes últimos três anos, perdeu três Linhas de Navegação e não conseguiu ganhar duas".

+ notícias: Economia

Portugueses são dos que menos gastam em viagens turísticas

Os portugueses são dos cidadãos europeus que menos gastam em deslocações de turismo, ao desembolsar em média 136 euros por viagem turística, menos de metade da média da União Europeia, de 336 euros, revelam dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Uma em cada cinco livrarias da base de dados do Ministério da Cultura já não existe

Uma em cada cinco livrarias da base de dados do Ministério da Cultura sobre a rede livreira nacional já não existe e, das restantes, a tutela só tem conhecimento de um terço que cumpre os requisitos para ser livraria.

Desconvocada greve dos trabalhadores que fazem manutenção dos Alfa Pendular

A greve dos trabalhadores da Unidade de Manutenção de Alta Velocidade (UMAV) da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) ao trabalho extraordinário, que começava este sábado, foi desconvocada após o anúncio de recrutamento de nove eletromecânicos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...