Info

Há "milhares de pensionistas a trabalhar na reabilitação urbana" em Portugal

| Economia
Porto Canal com Lusa

O Sindicato da Construção de Portugal denunciou esta sexta-feira a existência de milhares de pensionistas a trabalharem na reabilitação urbana e propôs a criação de uma comissão quadripartida de verificação das condições de trabalho destas pessoas.

Atualizado 04-08-2018 12:00

Em conferência de imprensa no Porto, o presidente do sindicato, Albano Rodrigues, culpou os angariadores do mercado de trabalho na construção civil, onde, estima, "faltam cerca de 60 mil trabalhadores".

Frisando que nos últimos sete anos "emigraram 250 mil trabalhadores" deste setor, alertou que com a "retoma das obras em Angola esse fluxo vai aumentar", situação agravada com os "apelos que chegam de países como a Bélgica, Holanda ou Alemanha".

Recuando até à década de 1960, o sindicalista referiu que nessa altura "havia crianças a trabalhar no setor da construção", para denunciar que hoje há "milhares de pensionistas a trabalhar na reabilitação urbana".

O sindicato fez as contas e calcula, segundo Albano Rodrigues, que "faltem 60 mil trabalhadores" no setor e garante que os "angariadores compensam com o recrutamento por todo o país de pensionistas a ganhar 300 euros" atraídos por "um salário mensal de 600 euros para compor a reforma" e que acabam por "aceitar trabalhar sem qualquer segurança ou proteção".

O sindicalista advertiu para a necessidade de serem tomadas medidas em prol do setor.

Nesse sentido, o sindicato propõe "a criação de uma comissão quadripartida, formada por câmara municipal, associação patronal, sindicato e a Autoridade para as Condições de Trabalho", à qual caberá previamente a "verificação das condições em que vai ser feito o trabalho".

Acresce a isto, segundo o sindicato, que "há muitos milhões de euros a serem desviados do Estado", razão pela qual anunciou que irá ser "pedida uma reunião ao ministro do Trabalho", a fim de que "haja muito rapidamente uma intervenção para acabar com esta situação".

Ainda em suporte do pedido de reunião, o sindicalista deu conta de que "na reabilitação urbana 45% da mão-de-obra é precária ou clandestina".

+ notícias: Economia

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Sindicatos dizem que rejeição da abolição de portagens na A23 e A25 demonstra desprezo pelo interior

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) afirmou esta terça-feira que a rejeição das propostas para a abolição das portagens na A23 e na A25 é uma "demonstração do desprezo" pelo interior do país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.