Info

Regulador da aviação com inspetores de prevenção para greve de tripulantes da Ryanair

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 24 jul (Lusa) -- A Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) terá uma equipa de inspetores no Porto e outra de prevenção em Lisboa, no âmbito da greve de tripulantes europeus da Ryanair, que em Portugal decorre na quarta e quinta-feira.

"A ANAC tem uma equipa de inspetores de prevenção, caso se revele necessário, para Lisboa. Estará uma equipa de inspetores no Porto", informou hoje o regulador da aviação civil, na sequência de questões da agência Lusa.

No âmbito das suas competências, autoridade afirmou ter mantido contacto estreito com a sua congénere irlandesa e tem solicitado "informações à transportadora, no sentido garantir informação atempada e fidedigna dos voos cancelados".

"Foram reiteradas as orientações à transportadora no que releva à informação a prestar aos passageiros, à assistência a que têm direito, bem assim como à garantia de que o site da transportadora está acessível a quem queira reclamar", acrescentou a ANAC à Lusa.

O regulador recordou que em situações anteriores foram registadas "ineficiências do site" da companhia aérea irlandesa de baixo custo e que, depois de uma intervenção direta do regulador, foram corrigidas.

Os passageiros devem reclamar no site da companhia e, se não obtiverem resposta em seis semanas ou se a "resposta não for satisfatória", devem apresentar queixa com todos os elementos à ANAC através do endereço consumidor@anac.pt.

O regulador lembrou ainda que os passageiros poderão receber informação por escrito sobre os seus direitos quando o atraso no seu voo for superior a duas horas, for recusado o embarque por 'overbooking' (venda de bilhetes a mais) e cancelamento do voo.

A regra prevista para o cancelamento de voos é um pagamento de indemnização, exceto se a transportadora conseguir provar a existência de circunstância extraordinária, segundo a ANAC.

Nessas circunstâncias podem estar "instabilidade política, mau tempo ou risco para a segurança", lê-se numa informação da ANAC sobre os direitos dos passageiros.

Em resposta à Lusa, a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) afirmou estar "pronta a intervir, caso se revele necessário", na greve de 48 horas em Portugal, Espanha e Bélgica e de 24 horas em Itália.

Fonte oficial da ACT indicou que a entidade "encontra-se a acompanhar a situação da greve convocada para os dias 25 e 26 de julho e pronta a intervir, caso se revele necessário".

Acerca da anterior paralisação de tripulantes de cabine de bases nacionais, no período da Páscoa, a mesma fonte informou que a ACT está à espera de "informação complementar solicitada, após o que procederá à sua análise e conclusão da intervenção inspetiva".

Nas greves de 29 de março, 01 e 04 de abril, a ACT desenvolveu "intervenções inspetivas" nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro para "verificar a existência de alegadas irregularidades em matéria de substituição de trabalhadores grevistas".

Os sindicatos europeus dos tripulantes de cabine decidiram avançar para a greve para reclamarem a aplicação das leis laborais dos seus países, e não a irlandesa, assim como o reconhecimento dos representantes sindicais e as mesmas condições para os trabalhadores subcontratados pelas agências Workforce e Crewlink.

No âmbito da greve, a Ryanair decidiu cancelar voos, um número que em Espanha deverá chegar aos 400 e na Bélgica e em Portugal 200.

A companhia estimou que os cancelamentos possam envolver até 50 dos mais de 180 voos diários operados de e para Portugal (27%).

Numa nota divulgada segunda-feira, em que dava conta da descida em 20% dos seus lucros, no primeiro trimestre fiscal (até 30 junho), para 319 milhões de euros, a Ryanair avisou que as greves "desnecessárias" podem resultar em reduções da operação no inverno (entre outubro e março) e da frota, assim como no número de postos de trabalho.

Em declarações hoje à Lusa, o responsável da companhia pelo marketing, Kenny Jacobs, informou terem decorrido esta semana reuniões com os sindicatos de pilotos e de tripulantes de cabine, o que "mostra a seriedade das duas partes" e que mais encontros serão agendados brevemente "para evitar mais greves".

PL // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Governo revoga permissão de pesca de sardinha misturada com outras espécies

O Governo revogou hoje, invocando dificuldades na fiscalização, a permissão dada há um mês aos pescadores para manter a bordo sardinha -- cuja pesca está interdita -- misturada com outras espécies, até 1% do total das capturas a bordo.

Cinco maiores bancos em Portugal diminuem lucros em mais de 400 ME até setembro

Os cinco maiores bancos em Portugal contabilizaram lucros agregados de 983,1 milhões de euros até setembro deste ano, uma diminuição de 405,4 milhões de euros face ao registado no mesmo período de 2018.

Desigualdade salarial obriga portuguesas a trabalhar mais 54 dias do que os homens

Portugal mantém-se um país com “telhados e paredes de vidro” em matéria de igualdade salarial, onde as mulheres têm de trabalhar mais 54 dias para ganhar o mesmo ordenado de um homem, apesar da evolução positiva dos últimos anos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...

N'Agenda

Pedro Abrunhosa - 'Espiritual'