Info

Águeda tem estação arqueológica fechada devido a atos de vandalismo

Águeda tem estação arqueológica fechada devido a atos de vandalismo
CM Águeda
| Norte
Porto Canal com Lusa

A estação arqueológica do Cabeço do Vouga, que alguns investigadores dizem ser o local histórico da cidade romana de Talábriga, está fechada devido a atos de vandalismo, segundo a Câmara Municipal de Águeda.

Se a conotação de vandalismo radica na destruição de obras de arte de Roma, quando os Vândalos a invadiram, no Cabeço do Vouga a destruição provocada por incertos levou a Câmara de Águeda a encerrar a estação arqueológica, situada num local ermo, entre o Vouga e o Marnel, de difícil vigilância.

“É um facto que a estação arqueológica está fechada e a razão fundamental são os sucessivos atos de vandalismo. Já fizemos de tudo: vedámos o espaço, colocámos câmaras e em vez de identificar os criminosos [estes] acabam por levar as câmaras de vigilância”, explica Jorge Almeida, presidente da Câmara de Águeda.

O temporal de 2013 destruiu a estrutura de proteção que cobria a área onde foram realizadas sucessivas campanhas de escavação e as estruturas soterradas ficaram à mercê das chuvas, da vegetação, de curiosos e de caçadores de tesouros.

Numa página da internet criada por um grupo que se dedica ao detetorismo e à numismática por recreação, são várias as alusões a práticas ilegais de prospeção no Cabeço do Vouga, com recurso a detetor de metais.

No Cabeço da Mina, apareceram moedas romanas numa cisterna, o que poderá inspirar os “caçadores de tesouros” a rumarem ao local, mas Jorge Almeida diz estarem a perder o seu tempo.

“Estamos a pensar sinceramente cobrir novamente todas aquelas instalações para não se degradarem. O que está à vista são meramente muros e todas as peças foram retiradas. Temos tudo isso preservado”, garante.

A importância arqueológica do local pode justificar o reforço de medidas de segurança, mas questiona-se se o Cabeço do Vouga será a antiga cidade de Talábriga.

“O problema da localização de Talábriga é considerado um clássico da arqueologia portuguesa”, com a primeira controvérsia a surgir no século XVI por Gaspar Barreiros, ainda hoje alimentada pela falta de consenso entre estudiosos e académicos.

A favor da sua localização no Cabeço do Vouga estão os marcos miliários, o testemunho de Plínio e a Geografia de Ptolomeu, mas os vizinhos concelhos de Albergaria-a-Velha e Aveiro, o primeiro com os vestígios arqueológicos encontrados na Branca e o segundo em Cacia, concorrem em argumentos.

“Apontam-se outras localizações próximas para Talábriga, o que eu refuto. Há ali construções e no rio Vouga tenho conhecimento de locais onde, escavadas nas rochas, estão as salgadeiras de pescado, numa zona muito próxima, que seria um porto fluvial importante. Eu próprio as conheço. A tal Talábriga ou é ali ou muito perto”, testemunha Jorge Almeida.

Para dar a conhecer o conteúdo arqueológico existente, a Câmara de Águeda está a desenvolver um conjunto de aplicações virtuais.

Pedro Alves, chefe de divisão da Câmara de Águeda, explica que está a ser feita “a virtualização dos vários períodos históricos que ocorrem naquele local”.

“O que a câmara está a fazer é a pegar nos vestígios arqueológicos e fazer uma reconstrução digital das várias épocas. Com um ‘smartphone’ ou um ‘tablet’, quem for ao local vai conseguir imediatamente visualizar todo aquele espaço e o seu funcionamento no passado, através de uma rede wi-fi local”, explica.

Vai ser também criado um museu virtual, onde é feita a reconstituição digital das peças encontradas.

“A partir de um pequeno pedaço de cerâmica, nós construímos o que era a peça. Fazemos este museu virtual e simultaneamente permitimos uma visita guiada digital, feita pela própria pessoa, no contexto da estação arqueológica e com outra riqueza que um simples painel nunca consegue dar àquele espaço. É esse trabalho que estamos a desenvolver e que muito em breve verá também a luz do dia”, disse.

Em termos de intervenção física vão ser reforçados os contrafortes e a limpeza da vegetação, bem como retomadas as escavações por um grupo de quatro voluntários europeus, enquadrados pelo Centro de Juventude de Águeda.

+ notícias: Norte

Pais "fartos de promessas" sobre obra da ala pediátrica do São joão

O porta-voz da Associação Pediátrica Oncológica do Hospital de São João (APOHSJ) disse esta sexta-feira estar “farto de promessas”, após uma reunião com a ministra da Saúde em que, assinalou, se deu um “passo atrás”.

Atualizado 23-02-2019 11:35

Falta de funcionários leva alunos de escola de Canelas a fazer limpezas e vigilância

A falta de funcionários na Escola Básica e Secundária de Canelas levou os alunos a ajudar a fazer limpezas e vigilância do espaço. As queixas arrastam-se há várias semanas e são comuns a muitas escolas do país, o que levou o Governo a anunciar um reforço.

Enfermeiro do Hospital de São João faz greve de fome como forma de protesto

Depois do presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal, há outro enfermeiro que esta sexta-feira vai começar uma greve de fome para exigir uma mudança de atitude do Governo. O enfermeiro do Hospital de São João, no Porto, vai ainda participar no protesto em frente à Assembleia da República, em Lisboa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.