Info

Pedrogão Grande: Presidente do Revita não teve queixas mas vai avaliar denúncias

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 jul (Lusa) - O Fundo Revita não recebeu qualquer queixa de incumprimento das regras no apoio à reconstrução de casas destruídas nos incêndios de 2017, garantiu hoje o presidente do conselho de gestão, sublinhando já ter pedido uma avaliação dos casos denunciados.

"Não recebi nenhuma queixa que identificasse uma situação concreta [de incumprimento]", afirmou à agência Lusa o presidente do conselho de gestão do Fundo Revita (Fundo de Apoio às Populações e à Revitalização das Áreas Afetadas pelos incêndios ocorridos em junho de 2017)que é também presidente do Instituto da Segurança Social.

A revista Visão, hoje publicada, denuncia "Esquemas suspeitos na reconstrução de Pedrógão" e diz que meio milhão de euros de donativos destinados à reconstrução de casas de primeira habitação afetadas pelos fogos em Pedrógão Grande sido foram desviados para casas não prioritárias, isto é, de segunda habitação.

A Visão refere casos de pessoas que mudaram a morada fiscal após o incêndio, de forma a conseguirem o apoio do Fundo Revita ou de outras instituições, como a Cáritas, SIC Esperança, Cruz Vermelha, La Caixa, Gulbenkian ou Misericórdias.

"Já assinei o ofício solicitando de imediato uma avaliação caso a caso para perceber se as declarações foram as corretas ou não foram", disse Rui Fiolhais.

O trabalho desenvolvido pelas equipas que avaliam os pedidos de ajuda "foi, de facto, muito exigente, muito intenso porque obrigou a uma visita ao terreno em diversos concelhos. Estou convencido que agiram da melhor forma e com toda a boa fé", defendeu o responsável.

Como presidente do conselho de gestão do Fundo Revita "não tinha conhecimento de alguma situação concreta que tenha existido, ou seja, até hoje nunca foi relatado ao conselho de gestão qualquer situação concreta em que houvesse sombra de dúvida", esclareceu Rui Fiolhais.

A fiscalização e a aplicação das regras para atribuição de financiamento à reconstrução das casas através dos donativos recebidos são feitas pela comissão técnica, que verifica se a morada é correta, se a casa tem vindo a ser habitada, nomeadamente através da análise da conta de eletricidade de maio de 2017, e quando necessário visita os imóveis.

A avaliação "foi feita na altura e, em caso de dúvida, seria feita "uma avaliação posterior para perceber se a avaliação da elegibilidade foi efetivamente bem conduzida", referiu o presidente do Instituto da Segurança Social.

Para verificação dos casos agora denunciados, "é aplicar os mesmos valores que têm norteado a reconstrução deste património habitacional que é com rigor, com clareza e com toda a responsabilidade serão avaliadas cada uma dessas situações para perceber se houve da parte dos beneficiários a prestação de declarações que possam não ter sido corretas", resumiu Rui Fiolhais.

Trata-se de um conjunto de casos que representa 3% ou 4% do parque habitacional em que há dúvidas sobre a natureza das declarações dos beneficiários.

Na comissão técnica que acompanha a gestão do Fundo Revita estão representadas autarquias locais, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro e as entidades de economia social local.

Foram selecionadas 261 habitações que cumpriam os critérios para serem reconstruídas e cada fundo ficou responsável pela edificação de uma parcela o que "tem vindo a decorrer de uma forma normal, tranquila, com 160 casas totalmente recuperadas e entregues às famílias", apontou ainda o presidente do Instituto da Segurança Social.

Criado pelo Governo para apoiar as populações e a revitalização das áreas afetadas pelos incêndios ocorridos em junho de 2017, o Revita recebeu já o contributo de "61 entidades, com donativos em dinheiro, em bens e em prestação de serviços".

Os donativos em dinheiro ascendem a 4.409.878,69 (4,4 milhões) euros, ao qual se junta uma verba de 2,5 milhões de euros disponibilizada pelo Ministério da Solidariedade e Segurança Social, apurou o último relatório do Fundo Revita.

Até ao final de junho, o fundo disponibilizou 1.289.172,02 (1,2 milhões) euros para recuperação e reconstrução de habitações e 4.732.103,78 (4,7 milhões) euros para apoiar 1.131 produtores agrícolas.

O incêndio que deflagrou há um ano em Pedrógão Grande (distrito de Leiria) e alastrou a concelhos vizinhos provocou 66 mortos e mais de 250 feridos, sete dos quais graves, e destruiu meio milhar de casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

EA (SYSM) // PMC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Número de feridos sobre para 20 no distrito de Castelo Branco

O ministro da Administração Interna indicou hoje que subiu para 20 o número de feridos nos incêndios que lavram desde a tarde de sábado no distrito de Castelo Branco e que se propagaram a Mação, distrito de Santarém.

Tecnologia 'morta' nas esquadras impede PSP e GNR de ceder à base de dados de informação policial

Milhares de computadores das esquadras da PSP e da GNR estão sem acesso à base de dados do sistema de informações. Tudo porque são antigos e não suportam a última atualização do Sistema. O Governo desmente.

GNR aumentou psicólogos e faz reavaliação psicológica ao efetivo

 A GNR aumentou o número de psicólogos e de psiquiatras ao serviço dos militares da corporação e está a realizar uma reavaliação psicológica do efetivo como medida de prevenção do suicídio.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.