Jornal Diário Jornal das 13

Reprogramação do Norte 2020 reforça verbas para investimento público

| Economia
Porto Canal com Lusa

Esposende, Braga, 13 jul (Lusa) - A reprogramação do Norte 2020, que prevê o "desvio" de verbas da rubrica "instrumentos financeiros" para investimento público, foi hoje aprovada pelo comité de acompanhamento do programa, em reunião realizada em Esposende.

Segundo o gestor do programa operacional regional Norte 2020, Fernando Freire de Sousa, a proposta de reprogramação vai seguir, na próxima semana, para a Comissão Europeia, a quem cabe a última palavra.

Freire de Sousa, que é também presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), explicou que os objetivos da reprogramação são "dar mais eficácia" às várias "gavetas" do programa e responder às alterações de estratégia do Governo.

"No fundo, é tirar dinheiro de uns lados para outros", sintetizou, sublinhando que o Norte 2020 se mantém com um volume financeiro total de 3,4 mil milhões de euros.

Disse que em causa está, sobretudo, o facto de se ter constatado que há um "sobredimensionamento" da rubrica "instrumentos financeiros", que tem uma dotação superior a 700 milhões de euros mas que, neste momento, só tem consignados cerca de 115 milhões.

Um sobredimensionamento que terá tido que ver com a crise que Portugal vivia em 2011, quando se estava a programar o Norte 2020.

Na altura, sublinhou Freire de Sousa, admitia-se que os instrumentos financeiros "iam ser muito importantes, porque a banca estava reprimida e incapaz de conceder crédito e porque as taxas de juro estavam muito altas, pelo menos por comparação com a Europa".

A situação, entretanto, alterou-se, e hoje verifica-se que o dinheiro afeto a "instrumentos financeiros" será mais útil se aplicado noutras áreas.

"Na prática, isto significa que há 500 e qualquer coisa milhões que estão a mais nessa rubrica e que podem ser utilizados de forma mais inteligente, mais eficaz e mais estratégica afetados a outras rubricas, como as do investimento territorial, equipamentos de saúde, educação, equipamentos sociais, zonas de baixa densidade", adiantou Freire de Sousa.

Em relação ao apoio às empresas, o programa Norte 2020 segue a orientação do Governo de garantir o mesmo bolo financeiro que lhes tem sido afecto nos últimos três anos.

Hoje, com a aprovação da reprogramação pelo comité de acompanhamento, cumpriu-se a "última etapa" do processo, no que respeita às entidades nacionais.

A proposta segue na próxima semana para Bruxelas, esperando-se que em outubro a Comissão Europeia emita o veredicto final.

Do bolo total de 3,4 mil milhões de euros, o Norte 2020 já tem "comprometido" cerca de 54%.

"É dinheiro que está destinado, contratualizado. Agora está, de alguma maneira, na mão dos promotores levarem à prática essa contratualização, avançarem com os investimentos", disse ainda Freire de Sousa.

VCP // LIL

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Companhia aérea Ryanair anuncia lucros mas enfrenta greves em julho

A companhia área de voos económicos Ryanair anunciou esta segunda-feira um lucro líquido de 319 milhões de euros no primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), 20% menos do que em igual período do ano passado.

Portugal é dos países que mais recebe de Bruxelas com quase cinco mil ME de fundos em três anos

Portugal recebeu, nos últimos três anos, quase cinco mil milhões de euros da Comissão Europeia, ocupando o terceiro lugar entre os Estados-membros que mais fundos comunitários receberam, segundo dados divulgados por Bruxelas.

EasyJet vai contestar indemnizações por falta de combustível em Lisboa

A companhia aérea easyJet afirmou hoje que vai contestar as indemnizações que foi obrigada a pagar devido às perturbações pela falha no abastecimento de combustível no aeroporto de Lisboa, tentando "recuperar esses valores" junto das petrolíferas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.