Info

Incêndios: Oleiros espera que o primeiro-ministro proponha indemnização à família do trabalhador morto

| País
Porto Canal com Lusa

Oleiros, Castelo Branco, 13 jul (Lusa) - A Câmara de Oleiros espera que o primeiro-ministro possa propor que a família do trabalhador que morreu no combate ao incêndio de 07 de outubro de 2017 seja ressarcida com os mesmos apoios das restantes vítimas dos incêndios.

"Espero que, a todo o momento, o primeiro-ministro possa propor ou deliberar que esta família não seja uma exceção a todas as outras famílias dos incêndios que houve no ano passado em Portugal", afirmou hoje à agência Lusa o presidente da Câmara de Oleiros, Fernando Marques Jorge.

O autarca explicou que já recebeu resposta à carta que enviou ao Presidente da República e à Provedora de Justiça, sendo que ambos o informaram que remeteram a missiva ao primeiro-ministro, António Costa.

"O Presidente da República respondeu que tinha enviado para o primeiro-ministro a missiva e a Provedora de Justiça também já respondeu, dizendo que havia toda a razão da família, mas que a lei não contemplava a indemnização à família deste português", explicou.

Fernando Marques Jorge adiantou que a Provedora da Justiça disse ainda que tinha enviado a missiva ao primeiro-ministro, alertando para a injustiça de haver um português que morreu num incêndio e cuja família está desprotegida.

O autarca escreveu três cartas, em janeiro de 2018, dirigidas ao Presidente da República, Provedora de Justiça e ao primeiro-ministro, a solicitar que o trabalhador da Câmara de Oleiros que morreu quando operava uma máquina durante um incêndio fosse considerado entre as vítimas oficiais dos fogos.

O trabalhador, com 50 anos, morreu quando combatia um incêndio que deflagrou naquele concelho, no dia 07 de outubro de 2017.

"Nós escrevemos alertando que tinha havido um português que morreu no incêndio de 07 de outubro. Penso mesmo que foi o único português que estava a trabalhar e a lutar contra o incêndio e que morre queimado e esmagado por uma máquina de rastos nesse incêndio. No entanto, o Governo deliberou apoiar os familiares dos portugueses que morreram nos incêndios de junho e 15 de outubro. Este não estava contemplado", disse.

Fernando Marques Jorge sublinhou que a família está desprotegida, sendo que o trabalhador deixou dois filhos menores e que estava exclusivamente dependente do vencimento do trabalhador da Câmara de Oleiros.

"O Governo tem estado com muito trabalho, embora eu ache que esta é uma matéria que devia ser prioritária. É uma viúva que está com dificuldades e que não pode ser marginalizada. Estou em crer que o primeiro-ministro e o Governo irão tomar uma posição de igualdade porque não pode ser de outra forma", concluiu.

CAYC // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Borba: Pelo menos dois mortos confirmados

O deslizamento de terras para uma pedreira, ocorrido hoje à tarde na zona de Borba, provocou, pelo menos, dois mortos, divulgou o Comandante Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora, José Ribeiro.

Ordem dos Médicos desafia ministra da Saúde a fazer turnos com médicos internos

A Ordem dos Médicos desafia a ministra da Saúde a ir para o terreno fazer turnos com os médicos internos. O desafio foi lançado numa carta aberta, depois de ninguém do ministério da saúde ter estado presente na cerimónia do juramento de Hipócrates no Porto.

Aluimento de terras em Borba arrasta retroescavadora e dois automóveis

Uma retroescavadora e dois automóveis foram hoje arrastados para o interior de uma pedreira, na zona de Borba, no distrito de Évora, devido a um aluimento de terras, desconhecendo-se o número de vítimas, indicou fonte do INEM.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.