Info

Fiscais municipais querem revisão da carreira em espera desde 2008

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 jul (Lusa) - A Associação Nacional de Fiscais Municipais pediu hoje ao Governo a revisão urgente da respetiva carreira, que está para ser revista desde 2008, e lamentou que vários municípios estejam a admitir fiscais sem a formação exigida por lei.

"Estamos à espera de que o Governo faça uma revisão da nossa carreira. Neste momento estava em negociação essa revisão. Ainda não aconteceu", disse à Lusa a presidente da associação, Teresa Vieira.

A responsável destacou que ainda que a portaria n.º 791/2000, de 20 de setembro, exige um curso específico com duração de um ano em horário laboral, no valor de 3.000 euros, ministrado pelo Centro de Formação Autárquica (CEFA) para o exercício da carreira.

No entanto, como o CEFA "não está neste momento não está a ministrar formações, não existem candidatos com esta habilitação", acrescentou.

"Como estão a ser necessários esses recursos [humanos] nas câmaras municipais, as câmaras adotaram o sistema de abrir um concurso para assistentes técnicos que vão exercer as funções de fiscais municipais, mas que não têm essa formação específica", afirmou.

"O que pretendemos é que o Governo esclareça de uma vez por todas o que é que pretende da carreira e dos fiscais municipais. Se pretende um corpo de fiscalização municipal com competências, tem de lhe dar formação e, no fundo, pretendemos que não seja um concurso aberto a qualquer pessoa. Tem de ter um perfil para exercer esta função e esse perfil exige uma formação específica. Pretendemos que o Governo defina quais são os critérios que vai utilizar e como pensa rever a nossa carreira", concluiu.

A associação representa 1.500 fiscais municipais, que desempenham funções de fiscalização nas mais variadas áreas que são competência da Administração Local.

RCS // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Presidente da República faz apelo cívico e pede aposta na prevenção da sinistralidade rodoviária

O Presidente da República fez este domingo um apelo cívico aos portugueses para se combater a sinistralidade rodoviária no país e pediu uma aposta das autoridades “na prevenção, na educação e na sinalização”.

Conselho de Escolas considera redutor destacar quem inflaciona notas

O presidente do Conselho de Escolas considera que a autonomia e a flexibilização dos critérios de avaliação fazem com que se torne redutor dar mais destaque às escolas que alegadamente inflacionam as notas dos alunos.

Atualizado 20-11-2018 12:17

Presidente da República receia que número de propostas atrase promulgação do OE 2019

O Presidente da República expressou este saábdo preocupação com o prazo de promulgação do Orçamento do Estado para 2019, afirmando recear que o número de propostas de alteração apresentadas, quase mil, leve a um atraso na redação final.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.