Jornal Diário Jornal das 13

NATO: Costa não comenta ameaças de Trump e diz que Aliança está para ficar

| Política
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 12 jul (Lusa) -- O primeiro-ministro, António Costa, escusou-se hoje, em Bruxelas, a comentar as alegadas ameaças de Donald Trump de retirar os Estados Unidos da NATO, afirmando que a Aliança Atlântica "não nasceu ontem" e vai seguramente perdurar no tempo.

Na conferência de imprensa no final de uma cimeira de líderes da NATO marcada pela discussão acesa em torno do aumento das despesas militares dos Aliados, que Trump reclamava de forma veemente, ao ponto de ameaçar seguir "sozinho" em termos de política de Defesa, António Costa escusou-se a "comentar pormenores" de uma "reunião à porta fechada", mas desvalorizou o "estilo negocial" de cada um, preferindo realçar a "relação estrutural" entre Europa e Estados Unidos.

"Os países e os políticos têm cada um o seu próprio estilo negocial, mas a NATO não é uma organização que tenha nascido ontem, não é um evento conjuntural. As relações entre a Europa e os Estados Unidos têm uma longa tradição (...) Nós temos que compreender que pode haver momentos de maior proximidade ou de maior afastamento, mas que há uma relação estrutural que perdura e que perdurará seguramente, e que por isso nós devemos sempre encarar estes momentos de maior tensão com a serenidade e a racionalidade devida, de forma que as coisas se reconduzam para o ponto certo", disse.

Já quanto ao desejo expresso pelo Presidente norte-americano de que os Aliados subissem mesmo as suas despesas militares para 4% do respetivo Produto Interno Bruto (PIB), o dobro do objetivo acordado em 2014 no País de Gales (2%), António Costa garantiu que "não há qualquer alteração" relativamente à meta acordada há quatro anos, e que constitui já um esforço considerável.

"Quanto à duplicação do esforço, não vemos razão para isso. Nós devemos ter um esforço correspondente às necessidades (...) Este é o esforço que podemos e devemos fazer", declarou.

Em síntese, garantiu que já assistiu a reuniões mais tensas do que a cimeira da NATO que hoje terminou em Bruxelas e manifestou-se seguro de que a Aliança Atlântica vai perdurar.

"Nem eu era nascido quando a NATO nasceu, e seguramente há de existir muitos anos para além da minha vida", declarou.

Pouco antes da conferência de imprensa de Costa teve lugar a de Trump, que se afirmou muito satisfeito com o compromisso assumido, em Bruxelas, pelos Aliados dos Estados Unidos na NATO de aumentarem "substancialmente" as suas despesas militares, assumindo que na véspera foi "muito firme".

Numa conferência de imprensa no final de uma reunião de emergência dos 29 membros da Aliança Atlântica sobre os contributos financeiros, e questionado sobre uma hipotética ameaça de os Estados Unidos se retirarem da organização transatlântica, Trump disse que provavelmente o poderia fazer, "mas não é necessário", face à resposta dada pelos Aliados.

"Ontem (quarta-feira, primeiro dia da cimeira), fiz-lhes saber que estava extremamente descontente. Hoje, fizemos progressos tremendos. Todos na sala concordaram pagar mais e pagar mais rapidamente, como nunca antes. A NATO está muito mais forte hoje do que há dois dias", disse.

ACC/AMG // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Vieira da Silva admite "problema" nas novas pensões, a resolver "até final do ano"

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social admitiu esta terça-feira que "existe um problema" na atribuição de novas pensões, devido à falta de pessoal e aos crescentes pedidos, mas disse que "até final do ano" os principais atrasos "serão resolvidos".

Atualizado 18-09-2018 20:49

Direção-Geral da Educação retira das escolas questionário com perguntas discriminatórias

A Direção-Geral da Educação já mandou retirar das escolas o inquérito considerado racista que foi distribuído em pelo menos duas escolas do Porto. Em causa está um questionário com perguntas discriminatórias, referentes à ascendência dos alunos.

Assembleia Municipal do Porto aprova moção que defende fim das portagens na CREP

A Assembleia Municipal do Porto aprovou esta terça-feira uma moção do BE que defende o fim das portagens na Circular Regional Exterior do Porto (CREP) ou concretização de medidas que retirem tráfego à Via de Cintura Interna (VCI).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.