Jornal Diário Jornal das 13

PCP reitera projeto patriótico anti-NATO e "cola" PS a PSD/CDS

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 jul (Lusa) - O dirigente comunista João Ferreira reafirmou hoje o "projeto próprio" do PCP para uma "política patriótica e de esquerda" e vincou diferenças com o PS convergente com PSD e CDS-PP, defendendo a dissolução da NATO.

"O PCP é portador de um projeto próprio para o país, assente numa política alternativa, patriótica e de esquerda. Tem como eixos essenciais a afirmação da independência e soberania nacionais, a rejeição da submissão do país a interesses e imposições contrárias, o controlo público de setores estratégicos da economia, a valorização do trabalho e trabalhadores e a renegociação da dívida", resumiu, em conferência de imprensa, na sede comunista.

O eurodeputado comunista respondia assim às declarações de hoje do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em entrevista ao jornal Público e rádio Renascença, considerando que uma nova solução política de acordos com os partidos à esquerda do PS teria de incidir também sobre política externa, nomeadamente em relação à União Europeia.

"Tudo isto são aspetos que identificam esta política alternativa que o PCP propõe ao povo português e o diferenciam de outras forças políticas, nomeadamente do PS que, neste conjunto de aspetos, tem uma conhecida e assumida convergência designadamente com o PSD e com o CDS", continuou João Ferreira, criticando os "prejuízos evidentes para o país" das políticas seguidas até aqui.

HPG // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Tancos: Governo sublinha que esclarecimentos só podem ser dados por Ministério Público

O Ministério da Defesa afirmou este domingo que cabe ao Ministério Público dar esclarecimentos sobre a investigação a Tancos, concordando com o Presidente da República de que esta não pode ser prejudicada por qualquer questão entre as entidades policiais envolvidas.

Professores só aceitam negociar recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) disse hoje que o Governo tem de se convencer que os docentes apenas aceitam negociar a recuperação integral dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.