Info

Bruxelas baixa pela primeira vez crescimento de Espanha que continua a ser alto

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 12 jul (Lusa) -- A Comissão Europeia baixa pela primeira vez as suas previsões de crescimento económico para Espanha em 2018 para 2,8%, menos 0,1 pontos percentuais, que mesmo assim continuam a estar acima da média da Zona Euro (2,1%).

Nas previsões macroeconómicas intercalares de verão divulgadas hoje em Bruxelas, o executivo comunitário prevê um crescimento económico em Espanha de 2,8% em 2018 e 2,4% em 2019.

Trata-se da primeira vez que a Comissão Europeia revê para baixo este indicador para 2018 depois de quatro revisões consecutivas em alta, tendo na última delas, em maio último, subido a sua previsão para 2,9%, mais quatro décimas do que as estimativas anteriores.

A revisão feita agora, de menos 0.1 pontos percentuais, acompanha a revisão feita à maior parte dos Estados-membros, com a evolução da economia espanhola para 2018 (2,8%) a manter-se acima da média de 2,1% para a Zona Euro ou de 2,3% para a União Europeia, considerando que o crescimento continua a ser "resiliente", apesar de terem aumentado as "incertezas".

Bruxelas estima que o crescimento da atividade económica em Espanha vai baixar para 2,4% em 2019, enquanto diminui para 2,0% na Zona Euro e para 2,1% na União Europeia.

"A economia espanhola cresceu 3,1% em 2017 e continua a mostrar poucos sinais de desaceleração", considera Bruxelas na análise que faz ao país.

Para os economistas da Comissão Europeia, a composição do crescimento de Espanha no primeiro trimestre do corrente ano indica uma evolução "mais fraca do que a esperada" das exportações e dos investimentos não incluindo o setor da construção, que foram compensados pelo "forte" consumo e construção de habitações.

"Consumo e investimentos na construção deverão continuar a ser os componentes mais dinâmicos da procura", resume Bruxelas, acrescentando que a subida mais elevada do que se esperava do preço do petróleo deverá ter um impacto negativo na procura interna em 2018 e um impacto menor em 2019.

Estas previsões intercalares da Comissão Europeia apenas têm estimativas para o crescimento económico e para a inflação.

No que diz respeito ao aumento do nível de preços, Bruxelas prevê um aumento de 1,8% em 2018 e 1,6% em 2019, enquanto a média da Zona Euro será de 1,7% em cada um dos dois anos e na União Europeia de 1,8% também para cada um desses anos.

FPB // ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Moody's diz que banca portuguesa deve reduzir rede de agências e tem que melhorar qualidade de ativos

Os bancos portugueses estão no bom caminho, mas devem continuar a melhorar a qualidade dos ativos e reforçar os esforços de reestruturação, nomeadamente em termos da redução da rede de agências, indicaram à Lusa especialistas da Moody's.

Economia cresceu 2,1% em 2018 e ficou abaixo da meta do Governo

O Produto Interno Bruto (PIB) português aumentou 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o observado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo de uma expansão de 2,3%, divulgou esta quinta-feira o INE.

Sindicatos dizem que rejeição da abolição de portagens na A23 e A25 demonstra desprezo pelo interior

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) afirmou esta terça-feira que a rejeição das propostas para a abolição das portagens na A23 e na A25 é uma "demonstração do desprezo" pelo interior do país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.