Jornal Diário Jornal das 13

Cerca de 30 professores reunidos em “vigília de luta” em Braga

| Norte
Porto Canal com Lusa

Cerca de 30 professores concentraram-se esta terça-feira em Braga numa "vigília de luta" pelo reconhecimento dos nove anos quatro meses e dois dias de tempo de serviço para "efeitos de progressão na carreira".

Atualizado 11-07-2018 15:49

"Nós só pedimos aquilo a que é nosso de direito. É uma questão de justiça. Não estamos sequer a pedir retroativos", explicou à Lusa Filipa Marques, representante do "movimento espontâneo" que organizou o protesto, Professores Sem Voz.

Convocado via redes sociais e pelo "passa a palavra" o protesto reuniu cerca de 30 professores, sendo que a data do protesto não foi escolhida ao acaso: "Quisemos fazer isto hoje para mostrar que estamos unidos uma vez que recomeçam amanhã [quarta-feira] as negociações entre os professores e o ministro da Educação", explicou a docente.

Segundo Filipa Marques, com este protesto "e outras ações que estão a ser equacionadas" os professores desejam "mostrar união e força", salientando que "a greve não é o único caminho".

Das negociações de se iniciam quarta-feira entre os sindicatos do setor e o ministro Tiago Brandão Rodrigues, os docentes reunidos em Braga esperam "nem menos um dia reconhecido do que os nove anos, quatro meses e dois dias".

O "movimento" Professores Sem Voz, explicou aquela professora, "nasceu numa ação de protesto durante a qual em conversa professores que não se conheciam de lado nenhum decidiram juntar-se com o objetivo de dar a conhecer a luta que enfrentam, mas também os problemas da carreira de docente".

Filipa Marques apontou o "cansaço, exaustão e más condições de trabalho" como alguns desses problemas.

"E depois disto tudo ainda nos é vedada a hipótese de atingir o topo de carreira devido ao congelamento das progressões. Se aos 50 anos estamos num terceiro escalão e são dez, nunca lá chegaremos e vamos, obviamente, ser prejudicados na reforma", terminou.

+ notícias: Norte

Vespa asiática continua a provocar quebras na produção de mel em Portugal

A vespa asiática está atacar colmeias e a provocar quebras na produção de mel. A Quercus diz que desde 2011 que alerta para a necessidade de se criar uma estratégia para acabar com os problemas provocados por esta espécie invasora.

Voluntários de Chaves recolhem cinco mil litros de lixo das florestas

Dezenas de jovens voluntários limparam a floresta no concelho de Chaves. A recolha de lixo da associação "Inspira" tem como objetivo evitar incêndios. Desde julho, foram ja recolhidos cinco mil litros de lixo.

Homem esfaqueia dois jovens à porta de discoteca no Porto

Dois jovens com 19 e 20 anos foram esfaqueados à porta de uma discoteca na rua da Alegria, na cidade do Porto, na manhã desta terça-feira, disse ao Porto Canal fonte da Polícia de Segurança Pública (PSP).

(em atualização)

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.