Info

Cerca de 30 professores reunidos em “vigília de luta” em Braga

| Norte
Porto Canal com Lusa

Cerca de 30 professores concentraram-se esta terça-feira em Braga numa "vigília de luta" pelo reconhecimento dos nove anos quatro meses e dois dias de tempo de serviço para "efeitos de progressão na carreira".

Atualizado 11-07-2018 15:49

"Nós só pedimos aquilo a que é nosso de direito. É uma questão de justiça. Não estamos sequer a pedir retroativos", explicou à Lusa Filipa Marques, representante do "movimento espontâneo" que organizou o protesto, Professores Sem Voz.

Convocado via redes sociais e pelo "passa a palavra" o protesto reuniu cerca de 30 professores, sendo que a data do protesto não foi escolhida ao acaso: "Quisemos fazer isto hoje para mostrar que estamos unidos uma vez que recomeçam amanhã [quarta-feira] as negociações entre os professores e o ministro da Educação", explicou a docente.

Segundo Filipa Marques, com este protesto "e outras ações que estão a ser equacionadas" os professores desejam "mostrar união e força", salientando que "a greve não é o único caminho".

Das negociações de se iniciam quarta-feira entre os sindicatos do setor e o ministro Tiago Brandão Rodrigues, os docentes reunidos em Braga esperam "nem menos um dia reconhecido do que os nove anos, quatro meses e dois dias".

O "movimento" Professores Sem Voz, explicou aquela professora, "nasceu numa ação de protesto durante a qual em conversa professores que não se conheciam de lado nenhum decidiram juntar-se com o objetivo de dar a conhecer a luta que enfrentam, mas também os problemas da carreira de docente".

Filipa Marques apontou o "cansaço, exaustão e más condições de trabalho" como alguns desses problemas.

"E depois disto tudo ainda nos é vedada a hipótese de atingir o topo de carreira devido ao congelamento das progressões. Se aos 50 anos estamos num terceiro escalão e são dez, nunca lá chegaremos e vamos, obviamente, ser prejudicados na reforma", terminou.

+ notícias: Norte

Um morto e dois feridos em colisão no IP4 perto de Vila Real

Um morto e dois feridos foi o resultado de uma colisão esta terça-feira no Itinerário Principal 4 (IP4), junto a Vila Real, que obrigou ao corte do trânsito, segundo fonte da GNR.

Administração do Hospital de Gaia admite problemas informáticos que pode comprometer o serviço ao utente

A qualidade do serviço ao utente pode estar comprometida no hospital de Gaia. É a própria administração quem o admite, uma vez que está impedida de atualizar o sistema informático. O Tribunal de Contas chumbou a aquisição do contrato, por achar que o hospital não tem condições financeiras para assumir o compromisso.

A Norte de Portugal há 19 zonas críticas de inundação

Espinho e Esposende são então duas das cidades que deverão sofrer alterações com o novo plano da orla costeira, mas há mais cidades que por estarem localizadas junto ao mar, vão também ter se adaptar às novas regras. Ao todo, são mais de 100 quilómetros de costa onde é preciso atuar preventivamente.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.