Info

Relatório incluído na lei da identidade de género atesta só "capacidade de decisão" dos menores

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 jul (Lusa) - PS, BE e PAN responderam ao veto do Presidente da República à lei da identidade de género introduzindo a obrigatoriedade de um relatório que "ateste exclusivamente" a "capacidade de decisão e vontade informada" dos menores de 18 anos.

O texto final estabelece que, os jovens entre os 16 e os 18 anos, podem mudar o nome no registo civil, "mediante um relatório" por eles solicitado "a qualquer médico inscrito na Ordem dos Médicos ou qualquer psicólogo inscrito na Ordem dos Psicólogos, que ateste exclusivamente a sua capacidade de decisão e vontade informada, sem referências a diagnósticos de identidade de género".

O texto final vai dar hoje entrada, e é assinado pela deputada Isabel Moreira (PS), Sandra Cunha (BE), e André Silva (PAN), na véspera de o plenário da Assembleia da República reapreciar o veto do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à lei da autodeterminação e identidade de género.

ACL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Presidente da República receia que número de propostas atrase promulgação do OE 2019

O Presidente da República expressou este saábdo preocupação com o prazo de promulgação do Orçamento do Estado para 2019, afirmando recear que o número de propostas de alteração apresentadas, quase mil, leve a um atraso na redação final.

Manuel Machado diz que houve quem confundisse descentralização com regionalização

O presidente da Associação Nacional de Municípios diz-se satisfeito com o processo de descentralização. Manuel Machado garante que esta é só a primeira fase de uma transferência de competências mais ampla. E quanto aos autarcas que criticam a reforma fala de deslealdade e más interpretações

PAN mantém confiança em dirigente que deu "esclarecimentos jurídicos" a grupo violento

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) afirmou hoje que mantém a confiança política na sua dirigente Cristina Rodrigues, que vai pedir à Procuradoria-Geral da República que esclareça se está a ser investigada por alegadas ligações a um grupo violento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.