Info

Autoridades procuram homem desaparecido em Vinhais

Autoridades procuram homem desaparecido em Vinhais
| Norte
Porto Canal com Lusa

Um homem de 43 anos está desaparecido, desde sexta-feira, em Vinhais, no distrito de Bragança, estando em curso uma operação de busca que envolve autoridades e populares, informou a GNR.

O desaparecido sofre de perturbações mentais, segundo disse à Lusa fonte das Relações Públicas do Comando Distrital de Bragança da GNR, a força de segurança que está a coordenar as operações de buscas.

De acordo coma fonte, o alerta foi dado por familiares, já na quinta-feira, quando o homem se ausentou da residência, em Ervedosa, aldeia de Vinhais.

O indivíduo terá regressado a casa na sexta-feira, mas voltou a desaparecer depois de alegadamente ter tomado conhecimento de que iria ser internado na Psiquiatria para tratamento, segundo os relatos feitos às autoridades.

As operações de busca estão em curso desde esse dia e hoje foram reforçadas. Ao todo, estão no terreno 26 pessoas, entre militares da Guarda, bombeiros e populares, apoiados por três cães pisteiros, indicou a GNR.

As buscas decorrem “nos arreadores da aldeia”, nomeadamente nos locais para onde costumava deslocar-se o desaparecido.

+ notícias: Norte

Plano do Governo para alojar universitários é "mão cheia de nada"

O reitor da Universidade do Porto disse hoje que o plano do Governo para criar camas universitárias é uma "mão cheia de nada", porque as universidades vão ter de se "endividar junto da banca ou da Fundiestamo".

Marcelo Rebelo de Sousa recebido no Porto por protestos e ânimos muito exaltados de lesados do BES

O Presidente da República foi hoje recebido no Porto pelo protesto de bolseiros da Universidade do Porto, uma carta de precários da Lusa e ânimos muito exaltados de lesados do BES/Novo Banco, que o chefe de Estado prometeu receber.

Bombeiros Voluntários de Lourosa exigem demissão da direção e ameaçam abandonar serviço

O corpo ativo dos Bombeiros Voluntários de Lourosa, em Santa Maria da Feira exige a demissão da direção e ameaça abandonar o serviço.A guerra entre ambas as partes já dura há vários anos, mas viu-se agora potenciada pela demissão do comando.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.