Jornal Diário Jornal das 13

Portugueses compram por dia mais de 16 mil embalagens de medicamentos para alergias

Portugueses compram por dia mais de 16 mil embalagens de medicamentos para alergias
| País
Porto Canal com Lusa

Os portugueses compraram diariamente mais de 16 mil embalagens de anti-histamínicos no ano passado, em média, o que representa a dispensa de mais de seis milhões de embalagens dos fármacos usados para alívio das alergias.

Segundo dados oficiais da Autoridade do Medicamento (Infarmed) divulgados hoje, a propósito do Dia Mundial da Alergia, em 2017 foram dispensadas 6.127.288 embalagens de anti-histamínicos, sendo os meses de janeiro a maio os que apresentam maior nível de consumo.

Ainda assim, no ano passado registou-se um decréscimo ligeiro na utilização de anti-histamínicos.

Contudo, no período entre 2010 e 2017 o consumo de anti-histamínicos foi quase sempre aumentando, com o último ano analisado a apresentar apenas uma pequena diminuição.

Segundo os dados do Infarmed, entre 2010 e 2013 a despesa com anti-histamínicos diminuiu e a partir de 2014 começou a crescer, atingindo 31,5 milhões de euros no ano passado.

O crescimento da despesa entre 2014 e 2017 deve-se, segundo a Autoridade do Medicamento, à comparticipação de novos medicamentos, à maior utilização de substâncias ativas já comparticipadas e também ao recurso a anti-histamínicos não sujeitos a receita médica.

Mais de 90% dos anti-histamínicos no mercado português são sujeitos a receita médica e 77% são comparticipados pelo Estado a 37%.

Em termos de análise regional, a tendência de consumo é comum a todas, mas Lisboa e Vale do Tejo destaca-se por apresentar consumos mais elevados por mil habitantes, enquanto o Centro é a que mostra menor consumo por mil habitantes.

+ notícias: País

Transferência do Infarmed ameaça saúde pública em Portugal e no mundo, alerta presidente

A presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, alertou hoje que uma deslocalização da instituição pode ser uma "ameaça à saúde pública" em Portugal e também no mundo.

Igualdade entre homens e mulheres evoluiu de forma lenta

A secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade considera que a sociedade portuguesa evoluiu de uma forma mais lenta do que o desejável no último século, no que se refere às diferenças de oportunidades entre homens e mulheres.

Banhistas das praias portuguesas mostram-se mais cautelosos

Na sequência da morte de um banhista na praia de Espinho, as autoridades aconselham as pessoas a precauções e a procurar as praias vigiadas para uso balnear. Ainda assim, os banhistas estão mais cautelosos em relação a praias nao vigiadas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.