Info

Maternidade Alfredo da Costa encerra salas de parto e obriga a transferência de grávidas

Maternidade Alfredo da Costa encerra salas de parto e obriga a transferência de grávidas
| País
Porto Canal com Lusa

O encerramento de salas de parto na Alfredo da Costa está já a levar à transferência de grávidas a meio de trabalho de parto para outras maternidades, avisou este sábado o presidente da secção regional do Sul da Ordem dos Médicos.

"É a maior maternidade maior de Lisboa. Se fechas as camas por insuficiência, significa que tem menor dotação e tem de transferir doentes. Isso já se verifica. As outras maternidades, por atacado, ficaram cheias neste final de semana", afirmou à agência Lusa Alexandre Valentim Lourenço.

O responsável considera que se está a assistir a uma "falência completa do Centro Hospitalar de Lisboa Central", onde está integrada a Maternidade Alfredo da Costa. Na sexta-feira, demitiram-se os chefes de medicina interna e cirurgia geral daquele Centro Hospitalar devido às condições da urgência do hospital de São José.

Alexandre Valentim Lourenço, que é também obstetra, lembra que, fechando salas e camas na Maternidade, é necessário transferir doentes "no meio de um trabalho de parto", desviando as grávidas para outros hospitais.

"Por si só, esses hospitais já têm dificuldades de funcionamento nesta altura", explicou.

Na sexta-feira, a bastonária dos Enfermeiros denunciou que a Maternidade Alfredo da Costa teve de encerrar três salas de parto dada a falta de pessoal para suprir a passagem às 35 horas de trabalho de profissionais de saúde.

Em declarações à agência Lusa, Ana Rita Cavaco revelou que a Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, além de encerrar três salas de parto, reduziu o número de enfermeiros por turno, "o que não dá segurança às pessoas".

A representante dos enfermeiros relata que todos os dias tem conhecimento de "encerramento de camas e fecho de alguns serviços", fruto do que os profissionais têm considerado como a falta de planeamento adequado com a passagem, a 1 de julho, às 35 horas de trabalho semanais por parte de milhares de profissionais de saúde.

+ notícias: País

Camião desgovernado destrói fachada de habitação em Santa Maria da Feira

Um camião ficou sem travões e destruiu a fachada de uma habitação, na tarde desta qunta-feira, na freguesia de Arrifana, em Santa Maria da Feira, sem causar feridos, apurou o Porto Canal no local.

Sindicatos da Função Pública querem Estado em tribunal

Os sindicatos da Função Pública ameaçam avançar para os tribunais e para os provedores de justiça, nacionais e europeus para contestar a nova tabela remuneratória do Estado. O Presidente da República promulgou o vencimento mínimo de 635 euros, mas os trabalhadores abrangidos perdem pontos na progressão da carreira.

Milhares de médicos recusam passar receitas pelo telemóvel

A partir desta quarta-feira os médicos já podem passar receitas pelo telemóvel. A medida é possível através de uma aplicação de Prescrição Eletrónica Médica que tem como objetivo facilitar e agilizar a passagem de receitas sem papel. Ainda assim há três mil médicos que se recusam a usar o sistema informático.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.